sábado, 12 de julho de 2014

O Teorema Zero (anotações)

- Filme é muito estilizado visualmente, mas não se pode dizer que é um visual bonito - que ele tem uma boa fotografia, uma boa direção de arte, uma palheta de cores coerente, etc.

- Personagem central é tão excêntrico e distante que fica difícil se identificar com ele ou mesmo entendê-lo.

- É o tipo de filme que faz as pessoas levantarem e irem embora do cinema. Ele quer ser excêntrico, bizarro, mas não há nada de envolvente na história. O que importa pra plateia solucionar o teorema? Isso nem é de grande importância pro personagem - ele foi só contratado pra trabalhar no problema, mas não é algo pelo qual ele se importa pessoalmente. Nem intelectualmente o filme está comunicando algo até agora. Por que o protagonista se chama de "nós"?

- Atriz que faz Bainsley é linda e tem muita personalidade. Pelo menos há 1 personagem mais humano no filme, com reações naturais, compreensíveis (Bob também traz um pouco de vida pra história).

- Cineasta sem dúvida quer fazer grandes afirmações a respeito do homem e da existência, o problema é que ele não consegue (ou não quer) comunicar essas ideias pra plateia claramente. Tudo é muito bagunçado, subjetivo, desintegrado - parece a mente de uma pessoa louca mesmo (algumas cenas são tão lunáticas que parecem as animações que o diretor fazia no Monty Python, só que sem o humor). Pelo menos é uma pessoa louca criativa e original, o que torna o filme no mínimo curioso de ver (não é um desses cineastas que apenas imitam o estilo excêntrico de outros, mas não são de fato).

CONCLUSÃO: Filme coloca a própria loucura e excentricidade acima das ideias que quer comunicar, alienando o espectador.

(The Zero Theorem / EUA, Romênia, Reino Unido, França / 2013 / Terry Gilliam)]

FILMES PARECIDOS: O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus, Brazil: O Filme.

NOTA: 4.5

Nenhum comentário: