domingo, 15 de março de 2015

Golpe Duplo

- Will Smith e Margot Robbie formam uma dupla divertida. Margot está tão linda que isso quase justifica o ingresso... Lembra aquelas primeiras aparições da Michelle Pfeiffer no cinema.

- Não há muito envolvimento pela história. Os protagonistas são criminosos, então fica difícil realmente se importar pelo trabalho deles ou pelo romance. Filmes assim precisam ser inteligentes, se destacar mais pelo roteiro, pela direção, etc.

- Irritante a sequência em que o Will Smith aposta milhões contra o oriental no jogo de futebol. Como assim ele pede pro cara escolher um jogador e não pede pra ele anotar em algum lugar? Confia que ele será honesto? Que absurdo. E é muito improvável o golpe que ele arma (a história do número 55, etc). Não soa inteligente e habilidoso, parece uma enganação. É que nem aqueles filmes de ação onde o herói luta sozinho contra dezenas de pessoas e sai ileso... Não gera admiração pois parece falso, uma habilidade irreal.

- Fico pensando: se o Nicky tem tanto controle sobre a mente das pessoas, por que ele não trabalha com publicidade ou algo do tipo? Em vez de ser um criminoso? Qual a desculpa dele pra fazer o que faz?

- Rodrigo Santoro está bem! Convence no papel, passa confiança.

- O filme é uma competição entre pessoas com um nível de habilidade muito acima da realidade e do conhecimento da plateia. Não podemos prever as manobras, os golpes, não sabemos o que é possível e o que não é... Não vejo graça em ficar sentado na poltrona esperando ser tapeado.

- Will Smith está realmente com ciúmes da Margot com o Santoro? Ou é tudo parte do golpe? Odeio a sensação de que tudo pode ser uma mentira. De que não conhecemos as intenções e as emoções nem do personagem central.

- Glamourização do crime. O filme ter certo respeito por esse dom de enganar as pessoas. "O mundo é dos malandros".

- SPOILER: Clímax onde os dois são capturados pelo Santoro. Ele engana ela, depois ela engana ele, depois os dois enganam o Santoro, e o filme engana a plateia. Chato!

- O fato do Will Smith tomar um tiro e ficar sem o dinheiro no final é uma tentativa de inocentar o personagem, mas ele continua sendo uma pessoa mentirosa, manipuladora, criminosa. Pra mim isso não muda nada. Acaba sendo um anticlímax - teria sido mais divertido se ele tivesse ficado com a grana toda.

CONCLUSÃO: Filme divertido mas não muito original sobre golpistas. Vale pelo carisma dos protagonistas e pela beleza estelar da Margot Robbie.

(Focus / EUA / 2015 / Glenn Ficarra, John Requa)

FILMES PARECIDOS: Trapaça / Truque de Mestre / série Onze Homens e Um Segredo


NOTA: 5.5

2 comentários:

Anônimo disse...

Um bom filme sobre vigaristas foi o argentino 'Nove Rainhas'. Outro, na linha de humor, foi "Os Safados", da década de 80, com Steve Martin e Michael Caine.

Caio Amaral disse...

Só vi o Nove Rainhas.. foi um sucesso enorme, pode ter influenciado esses que vieram depois..!