terça-feira, 19 de janeiro de 2016

O Menino e o Mundo

NOTAS DA SESSÃO:

- Alerta Vermelho: logo nos primeiros minutos já fica claro que o filme é um ataque à indústria, ao capitalismo, etc. Tudo o que é da natureza parece bom, perfeito, alegre (o garoto pode pisar em nuvens, se pendurar no rabo do cavalo sem levar um coice), mas tudo o que é tecnológico e feito pelo homem é perigoso e mau.

- Animação precária. Como experiência visual o filme é fraquinho e nem diálogos ele tem pra compensar. Os personagens acabam sendo pouco expressivos e não geram empatia. O filme é apenas um veículo pra mensagem política do autor.

- Naturalismo: personagens e situações comuns, "realistas".  O roteiro não faz a gente ter apego pela figura do pai, portanto há pouco interesse em reencontrá-lo em termos de narrativa. A busca do menino não é envolvente pro espectador, até porque é improvável e pouco convincente. O menino tem alguma informação concreta sobre o paradeiro do pai? Como sabemos se ele está se aproximando ou não do objetivo? Tudo tem que ser visto de maneira distante e abstrata, e não como uma série de eventos coerentes.

- Alerta Vermelho: o chefe na colheita é retratado como vilão por dispensar funcionários fisicamente incapacitados para o trabalho (o engraçado é que, se ele mantivesse os funcionários, provavelmente seria condenado por abusar deles fisicamente, afinal o trabalho é árduo).

- Alerta Vermelho: os patrões saem do carro futurista vestidos de preto e se comportam como vilões. A cidade é mostrada como um lugar infernal. Basicamente todo o filme é uma declaração de ódio contra o capitalismo. Ou pelo menos contra tudo o que é moderno e avançado - tudo bem o garoto se encantar com o caleidoscópio, afinal é um brinquedo mais primitivo. Mas se fosse um iPhone não poderia.

- Alerta Vermelho: a "cidade dos ricos" dentro da redoma de vidro tem um monumento de uma águia gigante que basicamente é a águia Nazista! É pra lá que vão todos os tecidos produzidos às custas dos pobres... Tudo pra que possam virar roupas para a elite vaidosa e superficial, que vive das aparências (!). Ou seja, se os ricos não fossem tão maus, os pobres seriam felizes pois não teriam que trabalhar?

- Alerta Vermelho: primeiro o filme ataca a indústria por "forçar" as pessoas a trabalharem. Depois, chegam as máquinas que vêm substituir o trabalho humano... E daí o filme ataca as máquinas por tirarem os empregos dos trabalhadores!!!

- Alerta Vermelho: a cena das duas aves lutando é patética. A ave colorida e alegre representa o povo. A negra violenta e covarde representa a polícia, a indústria, tudo o que é "opressor".

- Alerta Vermelho: claro que o filme não ia esquecer de levantar a bandeira dos ecologistas e dizer que o capitalismo destrói a natureza. Em vez de uma história, o filme é basicamente uma lista de argumentos estúpidos.

- O menino ficou velho no final? Chegou a encontrar o pai? Reencontrou a mãe? Foi tudo um sonho? A história é ruim e mal contada. Se a cidade era tão horrível por que ele ficou lá a vida toda e só voltou pra casa depois de velho? Pra piorar, o menino termina usando o tecido colorido que foi roubado da fábrica. É que nem o Que Horas Ela Volta?, que no final a empregada rouba a cafeteira da patroa como uma pequena vingança contra o "sistema".

CONCLUSÃO: Animação precária com um roteiro péssimo cujo único propósito é promover as ideias anti-capitalistas do autor.

O Menino e o Mundo / Brasil / 2014 / Alê Abreu

FILMES PARECIDOS: Que Horas Ela Volta? / Canção do Oceano / Elysium / Cosmópolis / 1,99 - Um Supermercado que Vende Palavras

NOTA: 0.0

3 comentários:

Anônimo disse...

E o diretor do filme resolveu dar uma entrevista, não sei se com a intenção de criar um clima de copa do mundo, criticando o Divertida Mente, que deve levar o Oscar na falta de concorrentes mais fortes, por mostrarem a alegria como uma 'garota loirinha bonitinha' (o cabelo dela nem é louro, é azul), e a tristeza como uma 'gordinha de óculos'. O ruim dessas críticas de estereótipos é que muitas vezes nem há para onde fugir, se a alegria fosse gorda poderiam acusar de ter incorrido no estereótipo do gordo bobo alegre, tão comum nos desenhos.
http://g1.globo.com/pop-arte/oscar/2016/noticia/2016/01/o-menino-e-o-mundo-diretor-critica-divertida-mente-e-ve-chance-no-oscar.html

Caio Amaral disse...

Que horror... Ele podia ter apontado problemas reais no roteiro de Divertida Mente... mas dizer que não achou o filme ótimo pq a tristeza é gordinha e a felicidade é magra... mostra bem que tipo de "artista" ele é. Ele ainda parece se orgulhar do fato do filme dele não ter roteiro... ter tido uma produção desorganizada, anárquica... ridículo.

Anônimo disse...

Passou ontem no canal TNT. O final não dá mesmo pra entender. Não sei o menino cresceu e ficou igual ao operário-músico de rua que o tinha acolhido, e se os dois eram a mesma pessoa, o que num sonho seria possível...
Pedro.