sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Passageiros

NOTAS DA SESSÃO:

- Não é uma nave muito original (lembra coisas de Alien, 2001 e outros filmes), mas é um ambiente atraente visualmente.

- Embora o Chris Pratt fique muito tempo sozinho, o filme não fica entediante pois sabemos que a Jennifer Lawrence irá aparecer e queremos descobrir por que ele foram acordados antes dos outros (algo já antecipado pelo trailer).

- Estranho quando ele sai da nave e chora olhando pro espaço a lágrima escorrer pra baixo como se tivesse gravidade.

- O filme tem um tom um pouco tolo, como se fosse apenas uma desculpa pra colocar um casal pop no espaço, e não um filme que se leva a sério enquanto ficção-científica. Não faz muito sentido ele não poder voltar a hibernar (até porque já vimos muitos filmes com câmaras de hibernação idênticas a essas, e sempre é possível voltar a dormir - só aqui que não dá, pois se desse a história não iria existir). Faltou uma desculpa mais convincente. Outra coisa: se a nave passaria um século vazia, e as pessoas só acordariam pouco antes da chegada, por que ela seria construída como um cruzeiro de luxo, cheia de opções de entretenimento, bartenders robôs que ficam funcionando o tempo todo, alertas que avisam os passageiros quando estão passando por algum astro bonito, etc?

- SPOILER: Muito questionável o Chris Pratt acordar a Jennifer Lawrence! Parece um conflito de um filme mais sério, sombrio, com personagens ambíguos moralmente, e não de um romance água-com-açúcar. Pelo menos isso cria mais um interesse pra trama (queremos saber se ela irá descobrir a mentira e como irá reagir).

- O romance não é empolgante. É tudo muito óbvio e fácil. Eles são as 2 últimas pessoas do mundo, são lindos, solteiros, saudáveis, compatíveis em todos os aspectos, não têm concorrência de outras pessoas, não têm grandes conflitos. E é uma relação meio superficial. Não sentimos que há uma conexão única entre eles. Principalmente da Jennifer Lawrence em relação ao Chris Pratt. Ela foi escolhida por ele (praticamente 'colhida' numa plantação), mas por que ele é o cara ideal pra ela também? Depois que ela descobre que foi acordada e os dois brigam, eles fazem as pazes de maneira meio fácil.

- Não faz sentido ele danificar o piso da nave pra plantar uma árvore! Ele cavou um buraco enorme e encheu de terra? De onde ele tirou essa árvore adulta? A nave não está numa viagem de 1 século sem ninguém acordado? Também não faz sentido a gravidade "parar de funcionar" de um segundo pro outro, afinal ela é gerada através da força centrífuga pelo fato da nave estar rodando, não seria assim que aconteceria (são detalhes como esse que vão se somando e dando um clima tolo pro filme, como se tudo fosse apenas uma desculpa pra mostrar o casal sexy).

- SPOILER: O roteiro explora muito mal os personagens. Só tem 4 personagens o filme inteiro, e 2 deles parecem totalmente inúteis: o robô, e o Laurence Fishburne, que mal aparece e já morre sem muita explicação.

- Por que tudo na nave começaria a quebrar? Coisas que não têm a menor conexão: os robôs da limpeza, a gravidade, etc? Se a situação é tão catastrófica assim, não seria esperado que muitas das câmaras de hibernação também quebrariam? Uma nave nesse estado será que irá funcionar por mais 90 anos? Os buracos provocados pelos meteoritos não acabariam com o oxigênio? Um mecânico que não entende nada sobre a nave irá conseguir consertá-la sozinho? Se ele for tão genial a ponto de fazer isso, não faria sentido ele conseguir dar um jeito de voltar a hibernar também? O roteiro é muito "nas coxas".

- Me incomoda a atitude romântica dos dois, como se fosse Jack e Rose no Titanic. Não há suporte o suficiente nessa relação pra justificar essa atitude de "amor perfeito". O cara praticamente acabou com a vida dela só pra ele ter com quem fazer sexo. Muita coisa teria que ter acontecido depois até a gente acreditar nessa poesia toda.

- SPOILER: Forçados os "sacrifícios" no final: ele ter que quase morrer pra salvar a nave, ela resolver abandonar todo seu futuro, sua carreira, seus planos, pra ficar com ele na nave fazendo nada.

- SPOILER: O trailer dizia que eles tinham sido acordados por uma razão, mas isso foi uma mentira pra intrigar os espectadores! No fim parece ter sido apenas um acidente aleatório, que por sorte acabou salvando a vida de todos (afinal o herói consertou a nave milagrosamente).

- De onde surgiram todas essas plantas no final? Tem até galinha na nave! É como se fosse pra ser uma evolução natural da árvore que ele plantou (o que é um absurdo), mas obviamente isso só pode ter vindo de uma outra parte da nave onde já haviam todas essas coisas vivas (o que também é um absurdo - as galinhas não deviam estar hibernando também? Rs).

------------------

CONCLUSÃO: O filme tem um senso benevolente de entretenimento, mas falta o cérebro pra fazer a coisa toda funcionar direito.

Passengers / EUA / 2016 / Morten Tyldum

FILMES PARECIDOS: Gravidade (2013) / Oblivion (2013) / Poseidon (2006) / Armageddon (1998)

NOTA: 6.0

Nenhum comentário: