sábado, 22 de abril de 2017

Vida

NOTAS DA SESSÃO:

- A falta de originalidade tira um pouco da estatura do filme no começo. Não só pela premissa lembrar muito a de Alien, o Oitavo Passageiro, mas o plano-sequência inicial (são mais de 5 minutos sem cortes) parece querer imitar o início de Gravidade, outro filme do mesmo gênero.

- SPOILER: A cena da luva onde o "Calvin" ataca pela primeira vez é muito tensa e eficiente (a mão do cientista quebrando, etc). E logo na sequência há a morte chocante do Ryan Reynolds - que impressiona não só pelos detalhes gráficos (o sangue saindo da boca em gravidade zero), como também pelo fato do filme eliminar um de seus astros tão cedo na história, criando uma sensação meio Psicose de que qualquer um pode morrer daqui pra frente.

- Todas as cenas de ação são bem tensas: por exemplo a mulher do lado de fora da nave, não só tendo que lutar contra o alien, mas ao mesmo tempo se afogando e com dificuldades pra enxergar por causa da água no capacete.

- Só é forçado o alien conseguir entrar de volta na nave uma vez que ele estava lá fora. Se a nave é tão vedada que nem o ar de dentro consegue escapar, como ele iria entrar? Nem se ele fosse totalmente líquido teria como ele entrar por uma "fresta". Sem falar que mais pro final fica claro que o bicho não pode sobreviver sem muito oxigênio. Como ele ficou esse tempo todo lá fora no espaço?

- Uma coisa que enfraquece um pouco o filme (em comparação com Alien), é a ausência de personagens fortes e carismáticos. Os tripulantes não têm muita personalidade - não chega a ser um prazer ver essas pessoas lutando contra a criatura (como era um prazer ver a Sigourney Weaver, por exemplo). E não só os humanos não têm muita personalidade, como o alien também não tem muita personalidade. É quase como um conjunto de células, uma planta carnívora mal humorada, não é um ser com uma consciência, uma identidade forte, como era o Xenomorph. Ainda assim os personagens são decentes, e a direção é realista o bastante pra gente se envolver na situação.

- Alguns detalhes meio forçados, como o Calvin estar preso na perna do Hugh e ninguém ter percebido; ou então quando chega a nave de "resgate", e o Sho abre a comporta por engano e deixa o Calvin entrar e matar todo mundo (até parece que seria tão fácil assim abrir essas comportas em estações espaciais).

- SPOILER: Não funciona direito a cena em que o Jake Gyllenhaal e a Miranda, percebendo que são os últimos sobreviventes e que poderão morrer, começam a conversar sobre suas infâncias de maneira melancólica, etc. Os personagens não foram desenvolvidos o bastante pra um momento "intimista" como esse tocar a plateia. O filme funciona melhor quando é pura ação.

10 Tendências Irritantes em Hollywood #5 - claro que no final o mocinho teria que cometer um ato de auto-sacrifício pra se provar um herói.

- SPOILER: É divertido o conceito do final surpresa, porém ele não foi muito bem preparado - acaba parecendo forçado, enfiado no roteiro só porque o diretor se apegou à ideia. Não é bem explicado por que o Jake Gyllenhaal tinha que se sacrificar, escapar em uma cápsula, a Miranda em outra... A sequência é dirigida de maneira propositalmente confusa pra despistar a plateia, de forma que quando os pescadores se aproximam da cápsula no mar, o espectador mais experiente já sabe que quem está lá dentro não é a Miranda. E como o Calvin não é um monstro muito carismático (não é tipo um Xenomorph ou um Jason, por exemplo), não há aquele prazer em descobrir que o vilão ainda está vivo e pronto pra mais matança. É um choque (o que é bom pra um final), mas um meio deprimente.

------------------

CONCLUSÃO: Premissa não muito original, com um final duvidoso, mas o filme é bem eficiente em seus momentos de suspense / terror.

Life / EUA / 2017 / Daniel Espinosa

FILMES PARECIDOS: Passageiros (2016) / Gravidade (2013) / Prometheus (2012)

NOTA: 6.5

2 comentários:

Greicy Kerner disse...

Muito boa sua crítica. Principalmente em relação ao Calvin sobreviver fora da nave. O final é realmente meio duvidoso. Porém a produção do filme foi ótima. Eu consegui me apegar ao Cho por causa da cena de ele vendo o filho recém nascido, mas não foi aquela comoção de se pôr no lugar do personagem.
Sua crítica foi objetiva e correta.

Caio Amaral disse...

Valeu Greicy..! Achei um filme divertido apesar de algumas reclamações.. melhor até que o novo Alien.. abs!