quarta-feira, 14 de junho de 2017

A Múmia

NOTAS DA SESSÃO:

- O prólogo todo é meio clichê e desinteressante (os flashbacks explicando a maldição da Princesa Ahmanet, etc). Há algo de estranho no conceito do filme - histórias sobre múmias, faraós, não parecem combinar com um filme que se passa nos tempos atuais, na Inglaterra, em guerras no Oriente Médio, etc (é tudo pra tentar enfiar a história nesse "Dark Universe" que a Universal inventou). O filme também tenta forçar um tipo de humor / alívio cômico nos personagens que remetem a filmes escapistas do passado, o que também não combina com o ambiente em que ele se passa. Pra ficar tudo ainda mais estranho, Tom Cruise parece errado no papel, como se o personagem tivesse sido escrito pra um adolescente interpretar (algo meio Shia LaBeouf em Transformers), e na última hora ele tivesse assumido o papel.

- Por que militares pegam o sarcófago da múmia, colocam num avião, como se fosse uma operação de guerra? Dá a impressão que só inventaram isso pra ter a cena da queda do avião e o Tom Cruise poder fazer os "stunts" que ele adora. Mas não faz muito sentido.

- A química entre o Tom Cruise e a mocinha (Jenny) não funciona em nada. Ele parece estar tentando agir como um galã novinho, e ela com essa aparência não convence em nada como uma arqueóloga séria realizando o trabalho de sua vida.

- Tudo é meio falso. Tom Cruise sofre uma queda de avião, depois é surpreendentemente encontrado vivo no necrotério, e as pessoas reagem como se fosse uma questão de "sorte"? No dia seguinte ele está no bar com a Jenny tomando uns drinks de forma descontraída? Daí no local da queda de avião, a múmia é encontrada à noite por 2 policiais que passavam por ali... Cadê os bombeiros, os helicópteros, a mídia, etc?

- Coincidências ruins: por que a tumba na Inglaterra (nas escavações do metrô) é encontrada praticamente ao mesmo tempo em que a múmia no Iraque?

- Péssima a ideia de transformar o Vail numa espécie de fantasma / zumbi engraçado que aparece pro Tom Cruise no espelho, etc. De repente o filme parece ter virado uma comédia explícita. Há um sério problema de tom no filme (além do "tom do Tom").

- Odeio essa mistura de filme de monstro com filme de visões, alucinações. Tom Cruise de repente começa a viajar mentalmente de um lugar pro outro, não sabemos mais o que é real e o que é imaginação, o que só ele vê e o que as outras pessoas também podem ver.

- A múmia não é nada assustadora como vilã. Ridícula a cena em que ela faz cócegas no Tom Cruise, depois ele brinca que ela está tentando dar em cima dele.. O filme não sabe inserir humor nos momentos certos, sem comprometer a seriedade da história.

- SPOILER: Além de múmias, fantasmas, zumbis, alucinações, agora temos também O Médico e o Monstro???? Que bagunça!!!!

- Horrível essa cena em que a múmia grita e todos os vidros começam a explodir, de repente surge uma tempestade de areia em Londres, Cruise é ajudado pelo amigo zumbi/fantasma... É uma ideia ruim após a outra.

- No momento de maior "tensão", Cruise simplesmente tapeia a múmia com uma brincadeira infantil, faz umas piadinhas, e rouba a adaga da mão dela.

- SPOILER: Toda a conclusão é péssima. Cruise se sacrificar pra ressuscitar a mocinha, como se fosse um romance épico pelo qual a plateia se importasse. E no fim o deus Set era tão fraco que simplesmente por Cruise ser um "bom homem", ele não se torna a personificação do mal como deveria.

------------------

CONCLUSÃO: Simplesmente errado.

The Mummy / EUA / 2017 / Alex Kurtzman

FILMES PARECIDOS: Êxodo: Deuses e Reis (2014) / O Cavaleiro Solitário (2013) / Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo (2010) / A Lenda do Tesouro Perdido (2004)

NOTA: 3.5

4 comentários:

Dood disse...

Melhor o primeiro com Brendan Fraser então?

Caio Amaral disse...

Com certeza...! Esse do Tom Cruise só ganha de O Escorpião Rei acho.. rs.

Anônimo disse...

Essas misturas de personagens de histórias diferentes não costumam dar certo, e parecem indício de falta de idéias. "Van Helsing" é um bom exemplo. Acho que 'O Médico e o Monstro' só deveria ser levado às telas como tema central do filme. Não faz sentido enxertar Jekyll e Hyde como tema secundário, ainda mais num filme que nada tem a ver com os personagens.

Caio Amaral disse...

Pois é.. acho que uma coisa é misturar Homem de Ferro, Homem Aranha num mesmo filme.. coisas que de fato podem fazer parte de um mesmo universo.. Outra coisa é misturar A Múmia com O Médico e o Monstro.. pois a única conexão aqui é o fato deles serem clássicos de terror de um mesmo estúdio.. mas uma coisa não necessariamente combina com a outra em termos de tema, ambientação.. abs!