segunda-feira, 3 de julho de 2017

Meu Malvado Favorito 3

NOTAS DA SESSÃO:

- Logo de cara fica clara a baixa pretensão artística / criativa do filme. Ideias fracas como a do chiclete gigante que faz levitar o navio; o desenvolvimento tolo da trama (a maneira como o vilão rouba o diamante); músicas pop ou cenas de dança que surgem aleatoriamente só pra manter um clima animado, etc.

- A produção é vazia de valores de entretenimento. Nem os Minions que são divertidos têm grandes momentos de humor, piadas bem elaboradas. E o filme é todo meio contaminado pelas tendências culturais atuais que são adversas ao romantismo. Eles tentam criar um entretenimento inteiro evitando justamente as emoções que são a alma do entretenimento, e que são consideradas tabu por certos grupos, como a ideia de autoestima. É mais ou menos o que digo nos textos Herói Envergonhado ou Romantismo Reprimido. Mas aqui me parece mais uma espécie de Veganismo Cultural (ideia pra um futuro post). Uma tentativa de alimentar o espírito das crianças mas proibindo as substâncias que realmente proporcionariam prazer e satisfação. "As crianças não devem se sentir especiais ou importantes, e elas também não devem ter ambição nem sonhar muito alto, então vamos garantir que não haja nenhum personagem atraente no filme, e que as crianças em particular sejam fisicamente feias na história, e que ninguém tenha um humor inteligente demais, e que o heroísmo retratado na aventura não seja convincente nem inspirador, apenas uma ação tola e irreal, e vamos inserir uma sequência que nada tem a ver com o filme onde a filha do Gru aprende que unicórnios não existem, só pro público infantil já ir se acostumando com desilusões e a reprimir seus desejos."

- Claro que os anos 80 têm que ser retratados de maneira cínica pelo filme (afinal, nada mais oposto ao "veganismo cultural" que eles propõem do que os anos 80) - tudo ligado à época parece meio patético e está associado ao vilão. O lado bom é que acabam tocando algumas músicas boas no filme (embora sob uma luz feia).

- Falta um mínimo de bom senso e plausibilidade na história. Que história é essa de ter que escalar a torre até um cubo mágico gigante no meio do mar? Depois que eles fogem com o diamante, como é que o vilão escapa do chiclete, coloca a máscara da Lucy, pega um helicóptero e consegue enganar o Gru em tão pouco tempo? É um tipo de niilismo que só pode fazer mal pro cérebro de uma criança.

- No final temos os anos 80 na forma de um grande monstro que volta pra aterrorizar Hollywood, jogando chiclete em tudo que é lugar e querendo mandar a cidade pro espaço (chiclete é tão doce e divertido que só pode ser obra do demônio).

- Qual o sentido dessa "dance fight" no final? Não tem o menor sentido o Gru propor uma dança na hora do confronto - é só mais uma oportunidade de colocar dancinhas e músicas divertidas no filme pra prender a atenção do público de forma imediatista e vulgar, já que não há emoções mais sólidas sustentando a história.

------------------

CONCLUSÃO: Mais um caça-níqueis esquecível da Illumination Entertainment.

Despicable Me 3 / EUA / 2017 / Kyle Balda, Pierre Coffin

FILMES PARECIDOS: A Era do Gelo: O Big Bang (2016) / Angry Birds: O Filme (2016) / Minions (2015) / Meu Malvado Favorito 2 (2013)

NOTA: 4.0

6 comentários:

Dood disse...

Pior que eu esperava justamente algo assim, pelo que a Illumination tem apresentado em seu portfólio de animações. Meu Malvado Favorito só tem validade no primeiro filme é dispensável as continuações o filme Spinoff Minions e sempre usando esses personagens para criar produtos vendáveis.

Caio Amaral disse...

É Dood.. não dá pra dizer que foi uma surpresa ou decepção, hehe. Abs!

Dood disse...

Seria uma surpresa se superasse o primeiro filme, mas a meu ver esse sofre do mesmo mal do segundo: enfiaram uma aventura genérica de pouca qualidade para aproveitar o sucesso comercial dos personagens.

A Illumination é pior que a Dreamworks.

Anônimo disse...

Comparado com o filme do Pica-Pau que está por vir, até estes filmes recentes da Ilumination parecem bons:
https://www.youtube.com/watch?v=KLfbG7IiZ0E

Caio Amaral disse...

Pica-Pau era um dos meus personagens favoritos na infância.. Mas infelizmente não acho que eles vão acertar na adaptação pro cinema.. :(

Anônimo disse...

A Dreamworks copiou quase todo o argumento de "Meu Malvado Favorito 2" para fazer "Os Pinguins de Madagascar", sendo assim está tecnicamente empatada em mediocridade com a Illumination.