terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Melhores de 2017


Como fiz ano passado, vou deixar uma lista aberta aqui dos meus filmes favoritos de 2017, e ir acrescentando novos títulos até os filmes deste ano terminarem de estrear em 2018.

Melhores Filmes (ordem alfabética)

O Artista do Desastre - 9.0
A Bela e a Fera - 8.5
Bingo - O Rei das Manhãs - 8.5
Corpo e Alma - 8.0
O Destino de uma Nação - 7.5
Detroit em Rebelião - 8.0
O Estado das Coisas - 7.5
Eu, Tonya - 8.0
Extraordinário - 8.0
Lady Bird: A Hora de Voar - 8.0
Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi - 8.0
Mulher-Maravilha - 8.5
The Post: A Guerra Secreta - 7.5
Todo o Dinheiro do Mundo - 7.5
O Touro Ferdinando - 7.5

TV
Big Little Lies
Black Mirror - 4ª Temporada
Twin Peaks: The Return

6 comentários:

Anônimo disse...

O que estraga um pouco "Mulher-Maravilha" é seu subtexto de propaganda de guerra, que não fica na idéia típica de muitos filmes de guerra recentes de "Oh, a guerra é uma coisa horrível, e a solução pra isso é matar os caras maus", como vai além, para dizer que os defensores de alguma solução negociada para os conflitos são traidores ou coisa pior.
Hollywood não é mais capaz de fazer filmes que retratem os inimigos de forma de forma humana, como "A Raposa do Mar" (compare o honrado comandante de submarino alemão vivido por Curd Jürgens com o caricato Ludendorff de MM), ou que abordem a guerra como um absurdo total e estúpido, como "A Ponte do Rio Kwai" ou "Apocalypse Now". Todos os filmes agora exigem que nos identifiquemos com os bonzinhos ingleses, americanos ou assemelhados (os gregos nos filmes "300"), enquanto que o inimigo, na melhor das hipóteses é uma abstração, como em "Dunkirk", e na pior uma monstruosidade a ser estripada.
http://original.antiwar.com/dan_sanchez/2017/06/06/is-wonder-woman-war-propaganda/
Pedro.

Anônimo disse...

Uma coisa boa no live-action de "A Bela e a Fera" foi deram algum contexto ao fato de Bela trocar de lugar com seu pai, no castelo, reaproximando o filme do conto original. Neste Bela havia pedido uma rosa a seu pai, e isto o levava a ser aprisionado pela fera. No conto, Bela troca de lugar com pai por um sentimento de culpa. Já no aclamado filme de 1991, a história da rosa inexiste, e o ato de Bela se torna um auto-sacrifício tão total quanto gratuito:
https://www.youtube.com/watch?v=izntFghOobY
De resto, não gosto muito da história. Acho que o letrista Howard Ashman tinha razão, o único personagem realmente interessante do filme era a fera. Acho Bela uma personagem superestimada, louvada como ser superior apenas por gostar de ler. que desdenha da vida no campo e que nunca trabalha.Dizem que a roteirista Linda Woolverton vetou aos animadores que fizessem qualquer cena de Bela trabalhando, como se o trabalho não fosse uma necessidade. A coisa mais próxima de trabalho que Bela faz na aminação é alimentar galinhas, e pra isso ela precisa derrubar o balde de comida no chão, como se estivesse aviltada por aquela tarefa, como se vê na cena abaixo (0:18):
https://www.youtube.com/watch?v=5Oni8_k5twU

Também não gosto que o filme não trate nenhum personagem masculino sob uma luz positiva. Quando não são maus, os homens são bobalhões, o que inclui Maurice, Lumiére e Cogsworth.

Caio Amaral disse...

Oi Pedro, não vi isso como um problema do filme.. não é um filme sério sobre guerra, política, e sim um filme de super-herói com um conflito exagerado entre bem e mal.. tem que compará-lo com outros filmes desse gênero, e não com Apocalypse Now, etc.. dentro desse contexto, acho que Mulher Maravilha se esforçou mais que a média ao mostrar as motivações do vilão, criando uma racionalização bastante sedutora pra justificar o ódio dele contra os humanos, em vez de torná-lo totalmente unidimensional como em Thor: Ragnarok e quase todos os filmes atuais.. abs.

Caio Amaral disse...

Quanto ao A Bela e a Fera.. o filme aqui nessa lista é apenas esse de 2017, não lembro direito da animação de 91 e desconheço o conto.. A Fera apesar de começar com conflitos, é um personagem masculino que é mostrado sob uma luz positiva na história.. Agora, tirando os protagonistas, é normal que os coadjuvantes sejam figuras mais caricatas (tanto homens quanto mulheres)..

Anônimo disse...

Sobre Mulher-Maravilha, acho que o fato de ser um filme menos 'sério' não diminui o problema de sua mensagem, mesmo porque esta distinção de filme 'sério' e não-sério' foi borrada há muito tempo. 'Sobre Ares, para além de suas motivações, a impressão que o filme passa é a de que buscar soluções negociadas para as guerras é coisa de inimigos da humanidade. Há pelos menos uns 20 anos que se tornou difícil ver um filme americano que envolva alguma guerra em que aqueles que buscam alguma alternativa para os conflitos não sejam retratados como covardes, frescalhões, traidores, ou coisa pior.
Provavelmente seria difícil alguém fazer um filme como "Hair" nos dias de hoje:
https://www.youtube.com/watch?v=fhNrqc6yvTU
Pedro.

Caio Amaral disse...

Oi Pedro, é que eu não acho que isso que vc está falando seja a "mensagem" de Mulher-Maravilha.. não podemos pegar um elemento da história e acharmos que essa é a essência do filme como um todo.. Em Indiana Jones por exemplo, os nazistas são retratados de maneira caricata e vilanesca... Se um dia eu discordar disso, eu não vou tirar 1 ponto sequer do filme... Normalmente filmes anti-guerra são menos comerciais né... tipo Cartas de Iwo-Jima / A Conquista da Honra... Leões e Cordeiros... A proposta não é mostrar um confronto entre bem vs. mal. Abs.