segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O Jogo da Imitação

- História bem apresentada, com objetivos grandes, envolventes... O protagonista é fantástico - lembra muito o que o Benedict Cumberbatch já fez em Sherlock, mas é uma personalidade tão fascinante que não dá pra reclamar. O que poderia soar arrogante em Alan, acaba sendo quebrado pelo tom de humor e pela inocência no rosto de Benedict.

- Produção se destaca em todos os aspectos (elenco, direção, trilha sonora, edição, roteiro, etc).

- Entrada ótima do personagem da Keira Knightley (ela solucionando o problema em 5 minutos, etc). Relação entre os 2 é um prazer de assistir.

- Admirável a confiança que o Alan tem na própria razão enquanto todos duvidam dele - a ponto dele apostar vidas humanas na convicção de que a máquina irá funcionar.

- Benedict é um dos atores mais marcantes e carismáticos em Hollywood. Impagável a cena dele levando maçãs pros amigos e tentando contar uma piada. Ótima caracterização.

- SPOILER: O filme poderia ter sido uma história chata sobre um homem num escritório resolvendo problemas, mas há toda uma dimensão humana que torna o filme interessante (os dramas que ele sofre na infância por ser diferente, o fato dele ser gay e ficar noivo da Keira, etc).

- Cena da "paquera" no bar muito bem escrita. E culmina no insight que leva o Alan a quebrar o código da Enigma. Ótimo clímax. A gente participa do raciocínio do personagem, não é algo que ele resolve sozinho e a plateia fica de longe sem entender nada.

- SPOILER: Conflito difícil: ter o poder de salvar o irmão no navio, mas ter que deixar as pessoas morrerem, se não os alemães descobrirão que eles decifraram o código.

- Descoberta do espião russo através da Bíblia: boa forma de contar a história visualmente (não é uma revelação jogada num diálogo qualquer, como geralmente é feito).

- Muito interessante essa visão da guerra não como uma luta física entre soldados num campo de batalha, mas entre grandes inteligências - os melhores cérebros de cada país, sendo isso o que determina o resultado.

CONCLUSÃO: História real interessante (tanto pela parte histórica quanto pelos personagens) contada de maneira impecável, com Benedict Cumberbatch dando um show de atuação e carisma.

(The Imitation Game / Reino Unido, EUA / 2014 / Morten Tyldum)

FILMES PARECIDOS: Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo / A Hora Mais Escura / Argo / O Discurso do Rei

NOTA: 8.5

4 comentários:

Anônimo disse...

Caio, como que tá o racionamento aí em SP? Tá foda?

Caio Amaral disse...

Ainda não me atingiu diretamente.. Tempestades caem diariamente há meses, a cidade está sempre alagada.. não sei pra onde vai toda essa água.. É bem suspeito..

María Alvarado disse...

Em cada projeto que eu vi Cumberbatch Eu acho que ele faz um bom trabalho, mas acho que o papel de Alan Turin foi o seu melhor desempenho até agora. Eu adoraria ver algumas das peças em que aparece.

Caio Amaral disse...

Oi María.. também achei ele ótimo em tudo que vi - o que não foi muita coisa, hehe. Conheço ele mais pelo Star Trek, O Jogo da Imitação, Álbum de Família e pela série Sherlock. Abraço!