sexta-feira, 7 de março de 2014

6 momentos que me fizeram desgostar da Rainha Elsa de "Frozen"

Criticando a sequência "Let It Go" de Frozen (e tentando explicar por que não estava gostando de Elsa no filme), eu disse na página do Facebook que Elsa "deveria estar preocupada com os danos terríveis que causou à cidade, e não curtindo seu castelo com vestidos sensuais". Outro dia discutindo com amigos, eles me lembraram que Elsa não sabia que tinha causado danos terríveis à cidade. Ou seja: eu não poderia desgostar dela por causa isso. Resolvi então rever o filme pra analisar o que aconteceu de fato no primeiro ato (até os 31 minutos de filme quando Elsa canta "Let It Go") que me fez desgostar da personagem. Selecionei 6 momentos-chave:

1) 8:53 - Anna quer montar um boneco de neve com Elsa, mas ela manda a irmã ir embora sem dar explicações. Se Elsa fosse bondosa, ela deixaria claro que tem carinho pela irmã, mas que não pode brincar pois foi proibida pelos pais (ou por outro motivo qualquer). Não há uma boa razão pela qual Elsa não possa contar para Anna sobre sua "maldição". Mas mesmo que houvesse uma razão válida dada pelos trolls, Elsa poderia inventar uma desculpa (que tem uma doença contagiosa, etc). O que ela jamais faria seria deixar a melhor amiga pensar que está sendo rejeitada.

2) 10:40 - Quando morrem os pais delas, Elsa se recusa a consolar a irmã, que fica sozinha implorando por sua companhia. Elsa fica em silêncio do outro lado da porta.

3) 20:30 - Quando as duas se encontram no baile, Elsa se comporta de maneira formal e distante em relação à irmã.

4) 22:25 - Anna diz que as duas poderiam voltar a ser amigas. Elsa diz não, fica brava, e se recusa a explicar mais uma vez.

5) 25:50 - Anna e Hans estão apaixonados e vão pedir a bênção de Elsa, que se mostra fria, não
demonstra nenhuma simpatia pelos sentimentos da irmã, e não autoriza o casamento deles.

6) 29:40 - Elsa ataca algumas pessoas na festa e traz a maldição do inverno para a cidade inteira. Como ela faz isso sem querer, de fato não podemos culpá-la por esse momento. Mas ela poderia tentar se justificar ou se desculpar antes de fugir - e não o faz. O ponto é que o FILME não parece estar tentando construir um personagem gostável nesse momento. O problema não é nem Elsa e sim o roteiro. Imagine se, pouco antes de sair cantando pelas colinas, a Noviça Rebelde sem querer provocasse um incêndio no convento e ferisse algumas freiras. Não seria intencional da parte dela, mas vê-la cantando e se divertindo logo após essa cena seria totalmente inapropriado, se a intenção do filme fosse criar um personagem gostável.

Isso tudo me parece um erro tão grosseiro de roteiro que não poderia ter sido cometido por um roteirista inocente. Mas esse fato no IMDb parece explicar o que houve, e mostra o que acontece quando executivos insensíveis interferem na integridade de um trabalho artístico:

"Originalmente, a Rainha Elsa era pra ser a vilã da história. No entanto, quando a canção principal da personagem, "Let It Go", foi tocada para os produtores, eles concluíram que não só a música era muito atraente, como seus temas de empoderamento e auto-aceitação eram positivos demais pra uma vilã expressar. Então, a história foi reescrita pra ter Elsa como uma inocente isolada...".

Ou seja, em vez de mudar um pouco a letra da música, que soava inapropriada, e manter a essência da história, resolveram mudar a história inteira pra se ajustar à música - e fizeram o trabalho pela metade. Poderia ter funcionado, mas nem tudo foi reescrito, e Elsa, retratada positivamente, está constantemente revelando traços da vilã que deveria ter sido.

(Pra uma discussão mais elaborada sobre essa tendência dos filmes de apresentarem protagonistas falhos, leiam meu texto sobre o "herói envergonhado": http://profissaocinefilo.blogspot.com.br/2011/06/heroi-envergonhado.html)

(Entenda também o que faz as pessoas terem reações diferentes aos filmes no texto "Senso de Vida":
http://profissaocinefilo.blogspot.com.br/2014/07/senso-de-vida.html)

276 comentários:

1 – 200 de 276   Recentes›   Mais recentes»
Anônimo disse...

Pelo que pude ler, vc busca uma personagem perfeita, sem falhas. Entretanto, Elsa se mostra justamente o oposto daquilo que vc esperava para ela. Imagina só, uma criança que ama sua irmãzinha quase causou a morte dela, uma criança que foi obrigada a se isolar por medo de causar mal as pessoas.... Eu entendo Elsa, entendo seu drama e seus medo. Ela se escondeu da Anna por medo de machucá-la e preferiu não falar nada ao invés de mentir para sua irmã, ela se sentia a pior das pessoas. Amei o filme e me apaixonei pela Elsa... ela é uma personagem inovadora e encantadora ♡

Caio Amaral disse...

Não busco uma personagem perfeita, sem falhas (talvez sem falhas de caráter, isso sim). Explico isso em detalhes na minha postagem sobre o "herói envergonhado": http://profissaocinefilo.blogspot.com.br/2011/06/heroi-envergonhado.html

O fato de Elsa ter se isolado e passado por dramas pessoais não justifica o que ela faz... Cinderella também foi abusada, humilhada, feita de empregada, mas os maus tratos externos não corromperam seu espírito. Não tornaram ela má.

Elsa machucou muito mais a irmã se isolando e não falando a verdade.. Ela poderia ter amenizado a situação facilmente, mas ficar em silêncio foi desnecessário e desumano da parte dela. Além disso, tem a cena em que ela é cruel com Anna quando ela aparece com o "noivo" no baile.. Isso não tinha nada a ver com não querer machucar a irmã. Sem falar na cena que eu nem comentei: quando Elsa quase mata Anna criando um monstro pra expulsá-la do castelo. Inovadora a personagem pode até ser.. mas encantadora.. daí é uma questão de ética..

Anônimo disse...

Se você tivesse prestado atenção aos detalhes da história e do filme, teria percebido que Elsa, na verdade, estava protegendo Anna dos seus poderes que eventualmente, um dia machucou uma pessoa querida. Elsa não é uma pessoa fria ou "amiga falsa", ela estava apenas com medo de ferir a irmã gravemente, já que outrora isso havia ocorrido. E em momento algum, ela se sentiu contente ao se separar da irmã. Elsa nada mais é uma pessoa com medo, inseguranças e que tenta proteger as pessoas ao seu redor do poder que ela ainda não consegue controlar. E no final, ela percebe que consegue sim ter autocontrole e poder ser de novo, a melhor amiga de sua irmã.

Caio Amaral disse...

O acidente que ocorre com Anna é um acidente banal que toda criança passa mesmo sem poderes. Elsa não era extremamente perigosa: o acidente ocorreu pq Anna começou a pular muito mais rápido do que devia, e pq Elsa escorregou. Ela não foi irresponsável. Mas mesmo que fosse, e ela precisasse ser isolada para sempre, ela podia se isolar apenas FISICAMENTE da irmã - elas ainda poderiam conversar através da porta, ser amigas, podiam tomar certas precauções (como as luvas) pra estarem juntas de vez em quando, etc. Não havia nenhum motivo pra ela passar a ser fria com a irmã. Fora isso tem a reação dela ao noivado de Anna, que pra mim foi o que a tornou antipática de uma vez por todas.

Anônimo disse...

Caio pense na seguinte situação, você tem uma irmã, e um dia, em uma festa ela chega segurando a mão de um rapaz que acabou de conhecer e diz que vai se casar com ele. O que você faria???
Esse filme não é um conto de fadas meloso onde a princesa é pura e perfeita, na vida real ninguém é perfeito e príncipes estão bem longe de existir.Quanto a situação entre elas pequenas é de partir o coração, eu tenho irmãs como a Elsa, e talvez eu faria a mesma coisa, e parte dessa culpa e medo dela sejam responsabilidade dos pais dela.

Anônimo disse...

Cara você está procurando defeitos no filme que num tem nada a ver.
1) Ana não quer mentir pra irmã e fica trancada porque tem medo dos poderes dela.
2) Você acha mesmo que a Elsa não ficou tão mal quanto a Anna ?
3) "Amiga falsa" ? Ela é a Rainha agora e está tentando se portar como tal.
4) Ela quer manter distância da irmã para não machuca-la de novo como quando eram crianças.
5) É impossível se apaixonar em questão de 10min, essa foi a melhor cena do filme porque mostra o realismo, 'Eu não vou deixar você se casar com alguém que acabou de conhecer' [Perfeito]
6) Assim que ela lança os poderes o povo começa a chamar ela de feiticeira, bruxa você acha que teria dado tempo dela explicar qualquer coisa ? Ela entrou em desespero como qualquer ser humano normal '-'
E no final do filme é o amor dela pela irmã que a salva.. Pff né '-'

Caio Amaral disse...

Já mostrei por que não seria necessário ela se distanciar emocionalmente da irmã.

Anna não se apaixona em 10 min. Talvez em 10 min de FILME, mas na história eles passam horas e horas se conhecendo melhor, conversando, etc.

Anônimo disse...

Você casaria com uma mulher cujo acabou de conhecer, mesmo tendo conversado duas horas que seja??? Pq no filme, 1- eles se conhecem quando ela sai do castelo e voltam a se ver na festa, o que deve dar um equivalente de 4 a 5 horas.

Caio Amaral disse...

1) Filmes não são documentários, são versões estilizadas, condensadas, exageradas de coisas que acontecem na vida. Se você não entende isso, você não devia ver filmes, muito menos animações musicais da Disney.

2) Mesmo que o filme não fosse uma fantasia, e a proposta fosse mostrar um retrato realista de um casal se apaixonando, a reação de Elsa não seria aquela se ela fosse uma pessoa decente. Eu pessoalmente não casaria com alguém que conheci no mesmo dia. Mas se alguém que eu gosto, que fosse um adulto mentalmente saudável, tivesse uma paixão "à primeira vista" e resolvesse casar, eu ficar feliz pela pessoa.. Poderia chamá-la de canto e dizer "tem certeza que você não quer namorar por uns meses até decidir se quer casar?", mas não ficaria de cara feia no momento da notícia, e passaria um julgamento negativo na frente do casal antes mesmo de procurar entender o que os dois estão sentindo, o quão sério é, etc.

Anônimo disse...

Eu sei a diferença entre um doc. e um filme, e gosto das animações da Disney, principalmente a Bela e a Fera.
Tenho uma irmã de 14 anos e se um dia ela aparecesse com um cara que acabou de conhecer e me dissesse q iria casar, acho que com toda certeza eu faria o mesmo que a Elsa.
E a Anna ficou com alguem bem melhor diga-se de passagem.
Agora já que é para trazer para a perspectiva real, supondo que a Elsa boa irmã, abençoasse o casamento, as duas estariam mortas e ele seria o novo rei, fim do conto de fadas

Caio Amaral disse...

Hans não apresentava NADA de suspeito no momento em que Elsa proibiu o casamento... Então dizer que ela estava certa pois mais pra frente ele se tornaria o vilão da história é totalmente ilógico. Ou ela era vidente?

A questão é: se a intenção do filme fosse fazer de Elsa uma personagem positiva, ele não teria criado toda uma sequência musical, mostrando Anna e Hans se apaixonando de maneira convincente, pura, pra depois Elsa cortar o barato dos dois de maneira tão inesperada. Quem na plateia gostou dessa reação negativa de Elsa, provavelmente é quem não estava gostando do romance entre Anna e Hans... e adorou ver o entusiasmo dos dois se desfazendo.

E quando Elsa cria um monstro e quase mata a irmã pra expulsá-la do castelo? Isso foi sinal de bondade? De preocupação com a vida da irmã?

Anônimo disse...

Isso foi um sinal de revolta e por mais estranho q pareça, sim, foi p proteger a irmã, foi por egoismo, foi pq ela não queria voltar a esconder seus poderes ou ser condenada qd voltasse a cidade. O monstro só jogou eles p fora do castelo, se a Anna não tivesse provocado ele não teria ido atraz. E particularmente eu achei longa e chata a sequencia músical do Hans e da Anna. A melhor é a dos trolls.
Realmente a Elsa não é a bondade em pessoa, esse é o papel da Anna.
A Elsa é um personagem reprimido e q passou a vida escondida, nada mais justo que ela se tornar amarga e egoísta.
A lição desse filme é q não existe amor maior dq o de um irmão, da família, q príncipes nem sempre são bons, q uma primeira impressão pode ser falsa, que você não deve esconder quem é.
Acredito que oq mais te desagrada é ver falhas humanas em uma animação, q na sua percepção deveria ser pura, vilões são vilões e mocinhos são mocinhos, e as princesas casam com os príncipes

Lavinia Souza disse...

Olha , eu já assiste muito este filme mais pelo oque parece , você não por que o filme neste casos o ''futuro'' é feito de ações , e se ''Elsa'' não tivesse feito oque fez nada do que aconteceu teria acontecido e também ela não havia
percebido oque ela tinha feito com a cidade e também se ela soubesse, não tinha como ela retirar por que ela não sabia como .
E como você quer que ela estivesse feliz no baile ? ela não estava contente , ela não queria ser rainha e os poderes não ajudavam muito e tambem ela não machucou ninguém.
Não estou querendo li ofender mais tenho um conselho . Aprende a fazer melhor e perceber mais , para só depois jugar !

Caio Amaral disse...

A mensagem de que não existe amor maior que de irmão eu discordo nesse caso.. Depende deles compartilharem dos mesmos valores, terem afinidades, terem empatia um pelo outro, etc.

Acho até plausível Elsa se tornar amarga e "egoísta" depois de uma vida de repressão.. Nem todos são como Cinderella e se mantem inocentes apesar de tudo.. Por isso acho que Elsa daria uma ótima vilã.. Meu problema é os produtores terem mudado de ideia (pois ela ERA pra ser a vilã) e retratado Elsa de maneira positiva tb.

De fato não gosto de ver falhas dessa natureza em personagens positivos de contos de fada.. Na vida real a gente vê essas falhas por todo lado e até perdoa muita coisa.. Mas quando eu vou ao cinema, eu prefiro ver personagens admiráveis, que mostram como as pessoas "poderiam e deveriam ser". Ou seja, estou falando da escola romântica de arte - recomendo uma outra postagem minha que explica isso detalhadamente:

http://profissaocinefilo.blogspot.com.br/2012/01/glossario-naturalismo-vs-romantismo.html

Caio Amaral disse...

(não estou dizendo que Frozen seja um filme Naturalista - longe disso.. mas esses toques "realistas" dados à história e ao personagem de Elsa partem de argumentos naturalistas.. "na vida real isso acontece, portanto..")

Anônimo disse...

Sim, irmãos não necessariamente se amam, em determinadas vidas o irmão é um amigo. Mas o desenho tenta passar isso.
E entendi sua frustração com o desenho, mas em outras animações os mocinhos também tem duvidas e medos, o ponto onde ele tem q tomar uma grande decisão. E hoje em dia as crianças não aceitam tão bem essa noção de felizes para sempre,nem os pais delas, tanto que animações como Sherek, Detona Ralph e o Gato de Botas (esse é mais ou menos) fazem sucesso.
E algo aleatorio que passou pela minha cabeça agora, a relação das irmãs lembra um pouco as dos livros da Jane Austen.
Confesso q adorei o príncipe ser o vilão no final.
Mas enfim,você preferia Elsa como vilã e Anna como mocinha (isso seria muito clichê, irmã boa irmã má). O fato da animação fazer tanto sucesso é isso, uma irmã q se torna triste e amarga, q se liberta, e é salva pelo amor incondicional da mais nova, q apesar de rejeitada soube perdoar a irmã e seu amor salvou as duas.
Bom pelo menos foi assim que eu vi ^^

Caio Amaral disse...

Se você não leu meu texto do "herói envergonhado" eu recomendo fortemente (o link está no final da postagem). Ali eu explico por que não só acho aceitável, como acho até importante que o herói tenha dificuldades/desvantagens/fragilidades - e explico também qual a diferença entre a fragilidade de um "Dumbo" e a fragilidade de uma "Elsa" por exemplo.

Acho que são muito mais os pais das crianças que não acreditam atualmente no romantismo dessas histórias.. As crianças vão sempre acreditar e vão sempre gostar.. Mas não são as crianças que fazem os filmes e que definem as tendências culturais né.. Pegue aquele caso em que a Disney foi processada e obrigada a enfeiar a princesa de "Brave" na caixa da boneca, pois ela estava mais atraente do que no desenho (e isso passaria uma mensagem "errada" para as meninas). Você imagina alguma garotinha reclamando que a princesa está bonita demais? Eu não imagino.. Isso é coisa de pais modernos que são contra o "sistema"..

Anônimo disse...

Esses pais modernos foram crianças já, e quem faz filmes já foi criança um dia. O problema é a criança crescer e viver na expectativa de ter uma vida como nos desenhos, ou no caso de meninas esperar o príncipe encantado e acreditar no primeiro eu te amo. É complicado quando se é criança e é diferente, abranger aspectos reais e de aceitação em animações torna as coisas muito mais fáceis, ao em vez de uma pura e bela princesa q tem sua vida realizada ao encontrar o príncipe e fim.
Vc tem uma visão saudosista, conservadora e romanceada das coisas, creio q não entenda os problemas e inseguranças q toda a perfeição transmitida causa na cabeça de algumas crianças, que hoje em dia são adultos e abominam o conceito de felizes para sempre.
Mas cada um com sua perspectiva, na minha, acho ótima essa mudança de padrão da Disney. E espero q os desenhos mostrem varias pontos e falhas para as crianças não se tornarem pessoas infelizes esperando o perfeito, e as meninas deixem de achar q a salvação esta no príncipe encantado.

Caio Amaral disse...

Sim! Essa é a questão central. Pra mim a imagem do ideal não é um fardo, e sim uma inspiração... um modelo pra seguir... quase como um mapa (quando eu dirijo na estrada eu não espero que a estrada seja "perfeita" assim como o mapa - vão ter buracos, desvios, mas nós temos um cérebro e podemos entender as diferenças entre o mapa e a realidade). Alguém que leva arte ao pé da letra é o mesmo tipo de pessoa que diz que video games são responsáveis pela violência, etc. Eu não concordo com disso. Se alguém confundir as duas coisas, acho que é mais um problema cognitivo da pessoa, não da arte.

Mas veja alguns pontos pra refletir: moralmente, acho que não há limites para o homem. Por mais que a pessoa sofra, tenha limitações, seja pobre, ela sempre tem a opção de manter um caráter impecável - não roubar, não mentir, não agredir ninguém que não a agrediu, etc. Então não concordo com a ideia de que heróis tenham que ter problemas de caráter pra serem mais realistas.

Vamos para o outro extremo: aquilo que de fato é impossível para o homem: poderes sobrenaturais, uma força sobre-humana, etc. Isso também não é dar falsas expectativas pras crianças quanto à realidade?? Assim como falar em Papai-Noel, ou mesmo Jesus Cristo, etc? Aparentemente as pessoas não reclamam tanto disso: do que é de fato impossível e está fora do nosso alcance.

Então qual o problema: aquilo que ESTÁ ao alcance das pessoas, mas que a média não costuma atingir.. Sucesso, um romance intenso, um grande talento, beleza, felicidade, riqueza material, etc. Mas essas coisas existem na vida real, não são uma invenção da arte (como super-poderes, por exemplo). Se a visão disso te deixa deprimido ou inspirado, isso depende de você acreditar ou não que você pode conquistar esses valores. Se você acha que não pode, então essas coisas te despertarão inveja, frustração.. Mas se você acha que pode, será uma inspiração, um combustível para seguir em frente. Pra esse tópico eu recomendo uma outra postagem minha chamada "universo malevolente", que tenta explicar um pouco por que as pessoas adotam essa visão trágica de realidade:

http://profissaocinefilo.blogspot.com.br/2012/05/universo-maligno.html

camila leite disse...

Ai vc esta querendo ver erros e nao tem justificativa, nem parece que prestou atençao no filme, Elza era uma criança quando machucou a irmã, e nao foi ela que se isolou foram os pais dela que exigiram isso, deu pra perceber que os pais colocaram na cabeça dela ainda criança que ela deveria ficar longe de todos principalmente da irmã, foram anos assim, ela cresceu sendo ensinada que ela colocava a vida das pessoas em risco, que ela tinha uma maldiçao, os pais morrem, ela se torna a rainha, a irma conhece um rapaz minutos, horas que seja antes da festa que vai coroar Elza, e sem mais nem menos chega e diz pra irma que vai casar, com um rapaz que conheceu naquele dia e vc acha que a Elza esta errada em dizer que nao? Isso nao demonstra inveja, pelo contrario demonstra amor, pois ela se preocupa com a irma, quem em sa consciencia aceitaria isso? Tanto que ela estava certa que o rapaz mostrou quem era de verdade um sacana, depois quando ela começa a congelar tudo, todos se espanta e começam a chama-la de feiticeira, e claro que com medo de machuca-los ou se ferida o melhor que ela tinha a fazer era fugir, ela canta e se moatra feliz, pois sem saber o mal que fez se sente livre, onde pode ser quem ela é sem medo de machucar as pessoas a sua volta, so sabe o mal que fez quando Ana encontra ela no castelo, ela conversa com a irmã quase que se aproximam, so que ela se assusta com a presença do amigo de Ana, nessa hora com medo ela se desespera, ela ainda se acha um monstro foi normal a sua reaçao, depois no final e o ampr pela irma que salva tudo, por isso vc na minha opiniao esta totalmente equivicado e vendo erros onde nao tem, pode ate nao gostar do filme é um direito seu, mas nao procure justificar em erros que nao existe

Anônimo disse...

Se fosse um crítico de verdade, saberia que o trabalho de um crítico é ver os pontos fortes e fracos que irão agradar o público, ou seja você não trabalha com um termo só, você precisa ser um híbrido. Elsa, não é uma pessoa fria e tão pouco amarga, como você pode ver ela ama sua irmã e por anteriormente ter ferido a sua irmã no passado e quase causado à sua morte, precisa remedi-la de seus poderes enquanto ainda não puder controlá-los.
Segundo a profecia dos Trolls, o poder de Elsa antes de chegar ao ápice enfrentaria muitos perigos. "Mas porque ela não quis contar para Ana?" Ora, vejamos. Todo herói revela sua identidade? Não creio que não. Além do que, compartilhar deste segredo e tamanha responsabilidade com alguém é como deixar alguém assumir esta responsabilidade por você. Quanto a questão do casamento. Quantos anos Ana tem mesmo no filme? Ah, acho que muito mais nova do que Elsa não é? Sim. Acho que Elsa não agiu de forma fria ou invejosa nesta parte do filme, mas sim agiu com muita maturidade para cuidar da irmã mais nova que agora estava em sua responsabilidade. Mas tudo bem, vamos compreender se você não conseguir entender isso. No entanto eu te faço uma pergunta: E se ela tivesse permitido e no final o principe tivesse feito a mesma coisa? Desposto Elsa, arruinado a vida de Ana e tomado o reino das duas, isso ia diminuir ou aumentar mais ainda a sua antipatia pela personagem?
Quanto a cena do baile, Elsa estava assustada que seus poderes fossem revelados na frente de todos. Em momento algum ela pensou em ferir alguém. Elsa não iria saber e nem estava preparada para esse tipo de situação. Dá para ver que pessoas ali já tinham ido com o intuito de que ela revelasse os poderes e assim tivesse um motivo para guerras entre reinos. Quanto a música, qualquer um pode ver, que ela começa melancólica por Elsa ter exposto seus poderes, quase ferido alguém e ainda tendo que deixar a irmã e o seu lar de lado. E então ela pensa: "Bem, agora eles já sabem. Sozinha eu não vou ferir ninguém e eu posso me dar bem sozinha com meus poderes" A minha crítica sobre o filme é: Foi um filme bom. E provavelmente o mais maduro da Disney. Trabalhou os valores familiares e a amizade e nos chocou com o final surpreendente do que poderia ser o tal "Amor verdadeiro". A única coisa que eu tenho a reclamar é que foi melódico demais, parecia mais um musical do que um filme. Mas foi um filme divertido, emocionante e creio que os autores passaram muito bem a mensagem que queriam.

Caio Amaral disse...

Anônimo:

Elsa não precisaria revelar sua identidade de "super-heroína" pra irmã.. poderia dizer pra apenas que tem uma doença contagiosa, e não pode ter contado direto com ela, mas as duas poderiam facilmente conversar através da porta, ou tomando certas precauções.

Se Elsa tivesse permitido o casamento e, depois, o príncipe surpreendentemente se revelasse um vilão, daí logicamente eu não colocaria a culpa na Elsa. Nem mesmo a Anna. Eu continuaria simpatizando pelas duas e perderia a simpatia pelo príncipe. Ele não tinha dado nenhum sinal até então de que poderia ser mau caráter.

Caio Amaral disse...

AH, quanto a ser um crítico de verdade... se pra ser um crítico de verdade eu tenho que ver "os pontos fortes e fracos que irão agradar o público", então fico feliz em não ser um crítico de verdade. Esse blog existe apenas pra eu desenvolver e expressar minhas opiniões sobre os filmes.

Anônimo disse...

Cara, de boa.Tu tens a tua opinião, ok.Mas ficar falando essas coisas...poxa,nisso tu viajou legal.Não há necessidade de xingar a Elsa.Todo mundo adorou ela, porque ela é uma personagem sensata que se preocupa com a irmã.E quanto ao "ficar curtindo seu castelo com vestidos sesuais" eu sei que vc n sabia que ela desconhecia o fato de ter Congelado o verão,mas isso não explica.De boa cara, se mata.

Anônimo disse...

Cara, é um DESENHO.Se vc se acha tão bom a ponto de criticar um trabalho que estourou nas bilheterias, vai lá, publique seu filme e fique Rico!Mas perai, vc n pode, pq tu é um zé ninguem que gasta seu tempo criticando contos de fadas.Tu não tem, tipo assim, uma vida?Lendo ops teus textos , tiramos as seguintes conclusoes:
1. Tu é um cara desocupado e não tem vida
2. Tua interpretação, é um lixo, pra tirar essas conclusões.
3.Deves se achar o tal, pra ficar criticando trabalhos que renderam mais dinheiro que tu vai ganhar na tua vida inteira.
4.Tu é burro, idiota, retardado, insensivel e totalmente imaturo.

Caio Amaral disse...

Oi, eu trabalho com argumentos, me xingar não ajuda em nada a mudar minha opinião... O único "argumento" que você deu - de que a Elsa é apenas sensata e se preocupa com a irmã - esse já foi respondido aqui várias vezes... Se tiver um argumento novo e que faça sentido, me diga que vou ler com atenção!

Anônimo disse...

Elsa em nenhum momento foi a vilã. Tudo o que ela fez foi proteger a irmã por amor :

No baile , ela era rainha e tinha que arcar com suas responsabilidades e não deixar sua irmã se casar pois era nova e acabara de conhecer Hans.

Quando Anna canta e pede para elas brincarem. Elsa não queria repetir o episódio que causou aquela mecha de cabelo na Anna.

Em diversos momentos Anna tentava se aproximar mais Elsa não queria , por amor á irmã.

Veja o filme direito e perceba o que você não percebeu. Boa tarde.

Caio Amaral disse...

Olá, já respondi esses 3 argumentos antes e expliquei como Elsa poderia e deveria ter lidado com a situação. Tks.

Anônimo disse...

Pare de criticar o filme Caio...
Pelo que vi Elsa e todo o filme tem milhares de fãs!!! Inclusive eu ♥♥♥

Elsa ama a irmã: e até mesmo pede pra Hans cuide da irmã, foi então que ela descobre que esta "morreu"... Eeee se desaba no chão ao saber que congelou o coração de Anna.

Ela aprendeu a controlar seus poderes quando se redimiu e viu que amava a irmã, mesmo estando errada em se afastar sem dar explicações...


E vem, que vem com tudo FROZEN - UMA AVENTURA CONGELANTE 2

Caio Amaral disse...

Ah sim em alguns momentos ela demonstra carinho pela irmã.. como no comecinho quando elas são pequenas.. ou no final.. mas isso não anula os 6 momentos que listei. Não estou dizendo que ela é 100% má... Estou dizendo que ela é uma mistura de bem e mal... Mesmo que ela fosse 90% boa e apenas 10% má, já seria o bastante pra eu não simpatizar por ela. Abs.

Anônimo disse...

você está tentando colocar todos contra o filme ou o que? vai procurar ver o filme e entender direito a história ao envés de ficar arrumando desculpazinhas pra tentar mostrar um erro, se coloque na situação da Elsa -lembre-se de que é uma princesa e teme MUITO machucar de novo alguém e que ninguém pode saber de seus poderes-e veja o que faria
ah e ela fica muito triste quando seus pais morrem e se você não percebeu, ela congela o quarto-note que ela só faz estragos com seus poderes quando está com medo ou triste- e chora não fica em silêncio

Caio Amaral disse...

Elsa teme muito machucar alguém fisicamente, mas não emocionalmente, pelo visto. O que você acha que machucou mais a irmã..? O fato de Elsa ter acidentalmente ferido ela na infância tentando salvá-la de uma queda.. ou os ANOS que ela passou sem falar com Anna e sem dar explicações? Eu acho muito pior o afastamento emocional e o fim da amizade do que o acidente que foi algo meramente físico e não intencional.

(Quando os pais morrem, Elsa ficou em silêncio em relação aos chamados da irmã.. o fato dela emitir sons de choro no quarto sozinha não muda o que falei).

Emilly Prado disse...

Para mim, eu adorei a personagem Elsa.
1 - Elsa não conseguem dar explicaçoes porque tem medo de fazer ou falar algo errado que prejudique
2- Elsa não consola a irmã porque tem medo de a machucar outra vez.
3- Eu não achei que Elsa se comportou de uma maneira formal .
4 - Como eu disse , Elsa tem medo de machucar a sua irmã e tenta afastar Anna e por isso que ela não quer voltar a ser a amiga de Anna .
5 - Elsa não autoriza Anna a se casar com Hans porque Anna acaba de o conhecer e nunca saiu com ele, por isso Elsa não autoriza o casamento porque Anna não sabe se Hans esta apaixonado ou quer se casar com ela para se torna rei . Por esse motivo Anna é enganada por Hans.
6 - Ela não ataca as pessoas , só fica nervosa e acaba sem querer machucando eles , ela são cantando e animada porque cansou de ficar com luvas e escondendo o que ela é, ela fica animada porque encontra um lugar onde ela pode ser quem ela é . Canta Let It Go que em português significa livre estou ,poque ela está livre de ficar escondendo o seu poder

Anônimo disse...

Quando os pais das meninas morreram,a elsa não consolou a irmã porque estava com medo de congelar a cabeça dela ou fazer outro mal á ela,e a elsa fugiu e cantou a música porque ela virou uma adulta e passou sua infância,adolescência e cresceu dentro de um quarto com medo de chegar aos limites de quase matar a irmã mais nova (Anna).e então com isso o dono ou dona dessa página deve é estar sego,porque tudo que a elsa tinha era medo de machucar a pessoa que ela mais amava.

Anônimo disse...

Eu gostei do filme e das músicas.
Embora eu tenha gostado bastante, a Elsa não é uma heroína, mas também não é uma vilã. No máximo, é uma criatura confusa. Ana é a heroína do filme e não foi TÃO visível, mesmo aparecendo muito mais que a irmã.

Caio Amaral disse...

Pois é, Elsa não é nem 100% heroína, nem 100% vilã.. por isso me incomoda o filme retratá-la positivamente.. uma cena como a "Let It Go" é feita pra gente vibrar com a personagem.. o filme está partindo do princípio que nós aprovamos Elsa 100%.. que estamos torcendo por ela (e, por consequência, que estamos contra as pessoas da cidade). Se o filme a retratasse de maneira ambígua, daí eu não teria problemas.. Seria como o Cidadão Kane (não consegui pensar num exemplo mais parecido, rss) - ou seja, um personagem com certas virtudes e certas falhas.. mas o filme o mostra com um tom de crítica.. daí fica tudo certo.

Douglas disse...

Nenhuma das suas 6 colocações para deixar Elsa como uma pessoa ruim, falsa ou outra coisa, são aceitáveis pois, Elsa sempre foi uma vitima de tudo. Elsa sempre quis proteger Ana, pois tinha medo de que o que aconteceu no salão do castelo enquanto brincavam se repetisse, ela preferia ver a irmã triste do que morta então sempre presou pela sua integridade física. Você disse que Elsa foi invejosa quando Ana pede a benção para se casar com Hans, mas na verdade ela só queria o bem da irmã, pois ela não pode se casar com uma pessoa que nem conhece (fez muito bem ela, pois Hans era um interesseiro), e Ana à deixa triste quando ela afirma que Elsa não sabe nada sobre o amor e é quando Elsa perde o controle e acaba revelando seus poderes em publico e com medo (feitiçaria era crime) da reação das pessoas e acaba fugindo. Resumindo; Elsa sempre foi uma vitima inocente de muito bom coração.

Caio Amaral disse...

Oi Douglas, já expliquei isso inúmeras vezes aqui.. O fato de Elsa não poder se aproximar fisicamente da irmã não a impediria de se COMUNICAR com ela de alguma forma e manter a amizade.. conversando através da porta, ou nem que fosse por cartas.. isso seria o lógico, o natural, o humano..

Agir como Elsa agiu diante de um casal só seria compreensível se ela já soubesse de antemão que o príncipe era perigoso. Mas como ela não sabia, ela deveria ter deixado os 2 livres pra se ficarem juntos e aprenderem com os próprios erros (caso o casamento não desse certo). Jogar um balde de água fria nos dois num momento como aquele é insensível não só da parte de Elsa em relação ao casal, mas da parte do filme em relação à plateia, que após a cena Love Is An Open door estava encantada com a sintonia dos 2 e feliz por eles terem se encontrado. Por isso digo que o FILME tb não ajuda a tornar Elsa um personagem mto positivo.

Anônimo disse...

cara eu acho que tu não assistiu o filme em primeiro lugar a elsa era uma menina de oito nove anos imagina se tu guase mata a tua irma e tem um poder colossal descontrolado e em segundo lugar a anna tinha o que uns cinco seis anos e elsa oito nove olha a época que elas vivem elas são educadas e jovens e tristes tu que o que que elas falemesta apavoras e em terceiro lugar ela não sabe o que fez no reino e em quinto quando anna e hans pedem a permissão de elsa para o casamento por que era tradição e todo mundo elsa stvem também pesebe que hans é interesseiro ta entendeu e em sexto medo tristeza morte poder colossal e incontrolável tu que o que? tu não sabe de nada.

Caio Amaral disse...

Eu preferiria se, apesar disso tudo ela mantivesse um caráter positivo, assim como tantos outros heróis.. o Homem-Aranha tb tem super poderes que no começo ele não controla.. também viveu tragédias, perdeu o pai, sofreu bullying, etc, e nem por isso se tornou uma pessoa negativa, problemática. A Cinderela foi abusada, feita de empregada, e ainda assim permaneceu bondosa e gentil.

Jéssica Lima disse...

Bom de todos os filmes já lançados pela disney frozen certamente é o mais maduro, sensato, correto. Dos personagens elsa se destacou por ser ,não apenas uma inovação, mas sim um retrato mais próximo da realidade.
Agora a respeito dos seis momentos que você discordou.
1- Elsa se nega a montar um boneco.
8:53 : nesse momento elsa é uma criança que machucou a irmã, que poderia ter morrido, os pais decidiram afastar as duas e manter os poderes ocultos inclusive de Anna, você deve ter percebido que Elsa não possuia o controle dos poderes. Vendo teus argumentos que poderia haver uma desculpa sobre uma doença só seria plausivel se
Elsa controla-se os poderes nesse caso ela poderia evitar que o acidente viesse a ocorrer tomando precaução, mas como isso não acontece o afastamento foi a melhor escolha. Ela não pode deixar a irmã pensar que está sendo rejeitada, o que ela não pode é deixar a irmã correr risco.
2- Morte dos pais.
20:30 : Nessa parte percebe-se que os poderes de elsa estão mais descontrolados ainda. A mortes dos pais não afeta apenas Anna mas diferente dela Elsa foi criada para não deixa transparecer, ambas sofrem porém cada uma a sua maneira.
3- Baile.
20:30 : Elsa e Anna não se falam praticamente desde do acidente na infância, é normal que após um tempo sem contato você aja de forma mais polida com a pessoa isso também ocorre com Anna não apenas com Elsa.
4- Anna fala que poderiam ser amigas de novo.
22:25 : Após anos escondendo os poderes seria implausível que nessa situação ela fosse explicar o por que não poderiam ser como antes. Pois se o tivesse feito o teria feito logo no começo do filme. E quanto ela estar brava é normal sendo que ela precisa ficar afastada da irmã contra vontade aliado ao fato de não poder explicar o por que sendo que os trolls disseram que era melhor apagar tudo sobre magia da mente da Anna.
5- O pedido de casamento.
25:50 : Confesso que aqui eu custei a crer que você achou a atitude da Elsa errada. Sinceramente essa parte e a parte do amor verdadeiro no fim são os pontos chaves do filme. Alias nesse ponto do filme é retratado um erro de Anna ao decidir casar-se com alguém no mesmo dia em que o conheceu. O fato dela falar na frente do Hans foi por que Anna recuso quando Elsa disse que queria conversar a sós com ela. Em um dos comentários que você respondeu você disse que o fato de o Hans ter sido o vilão não justificava, e de fato não justifica, o que justifica a atitude de negar ao pedido é o zelo para com a irmã mais nova, Anna é uma garota inexperiente que não saia do castelo a anos e facilmente poderia ser enganada.
6- Fugir é a atitude correta a se tomar, pois no momento em que o duque fala e ela pede para ele se afastar acaba por lançar gelo nele sem querer, o que faz com que ela perceba que está ali é perigoso para os demais sendo que não tem como ela controlar os poderes o que obviamente não deixaria com que ela explicase nada.
Let it Go é um momento de libertação para Elsa, ela passou anos trancada pelo bem dos outros, e finalmente pode ser quem ela realmente é, isso aliado ao fato de não saber o que ocorreu na vila, pois fica explicito no momento que ela encontra Anna no castelo de gelo, que ela acha que quando saiu de lá os efeitos dos poderes dela também haviam saido.É obvio que ela está feliz afinal na mente dela ela finalmente está livre e com ela longe as pessoas da vila estão a salvo.
O equivoco na sua critica está no fato de você querer ver Frozen como um conto de fadas falsificado
bela adormecida, branca de neve etc. todos os outros são contos de fadas totalmente modificados das versões originais, essas sim que traziam uma lição a ser aprendida assim como se percebe em Frozen: As aparências enganam, A Importância da família e muitos outros.
O fato é, Frozen não é um conto de fadas, é um filme atual e precisa sim que haja realidade nele.
Mas se você quiser tratá-lo como conto de fadas procure as versões originais e verá que de todos já produzidos pela disney, esse sim se assemelha a um verdadeiro conto de fadas.

Caio Amaral disse...

Oi Jéssica, obrigado pelos comentários..

Se os contos de fadas originais são mais como Frozen do que como os clássicos da Disney, então provavelmente eu não iria gostar tanto deles, imagino, quanto gosto dos filmes da Disney.

A questão é: me inspira muito mais a visão de algo idealizado, exemplar - mesmo que distante da realidade ao meu redor - do que a visão de algo problemático, conflituoso, ainda que mais "realista". Eu pessoalmente prefiro ir ao cinema ver as coisas e as pessoas como elas "deveriam e poderiam ser" (citando a filósofa Ayn Rand)... e não como as coisas são na realidade das pessoas em geral. Essa é a minha atitude em relação à arte, e costumava ser a do Walt Disney também. Mas enfim, não é ele mais que comanda a empresa hehe...

Edinaldo disse...

Claro, até porque mentir seria a melhor opção para Elsa no momento. Daí depois a irmã descobriria toda a verdade e poderia perder a 'simpatia' por Elsa.
Uma pessoa que diz que mentir ajudaria a amenizar a dor, está pensando a curto prazo. A dor da Anna seria sim, amenizada, somente até o momento que ela descobrisse que a irmã mentiu sobre a 'tal doença'.
E quanto a festa, como já foram ditas várias vezes, ela estava assustada, e perdeu o controle dos poderes num momento de nervosismo, daí uma multidão começa a chamá-la de feiticeira. O que você faria? Sentaria e esperaria eles se calarem para se explicar ou fugiria? (Até porque uma pessoa gritando contra várias é meio inútil)
Já o casamento, foi o mais sensato que ela fez. Por mais que ela tenha se afastado da irmã, ainda queria cuidar dela, por isso não autorizou. E ela até pede para falar com Anna a sós, mas Anna recusa. É neste momento que Elsa explica que 'Anna pediu a benção dela' e ela não dará. Quando Anna pega a luva de Elsa, a rainha explica que se Anna quiser, está livre para ir (Já que era isso que ela tanto queria) Elsa não estava fazendo uma opressão, só não apoiava o casamento.
Voltando um pouco, quando os pais delas morreram, não era somente Anna que estava triste, mas Elsa também. E como ela (Elsa) era acostumada a viver isolada, talvez preferisse sentir sua dor sozinha (como muitas pessoas fazem).
Quando Anna pede para ser amiga de Elsa e ela recusa, com certeza é para proteger a irmã, já que seus pais colocaram na sua cabeça que ela é um perigo até pra própria irmã, e tirando que o troll disse que Elsa passaria por problemas e que se não conseguisse dominá-los, seus poderes a consumiriam (Imagine o medo de isso acontecer num momento em que ela está junto da irmã).
E como algumas pessoas disseram, ela começa a cantar a música de forma melancólica e depois, ao perceber que agora pode viver do seu jeito sem machucar ninguém (e desconhecendo o fato de ter colocado causado o inverno em Arandelle) ela se anima.

Agora se você não tem mente aberta para aceitar que os desenhos estão mudando de forma que a mocinha não é mais tão indefesa e perfeitinha, dê prioridade as animações antigas (Como a Cinderela (com um l, porque estamos no Brasil, e aqui o título ficou assim) que você tanto cita).
Até porque já faz um tempo que as animações da disney estão mudando (Em Valente, a mocinha não é indefesa. Em Malévola, a 'vilã' não é má) e essas mudanças só tendem a aumentar. Seria como uma 'atualização' para se igualar a sociedade.

Anônimo disse...

1- Elsa não queria que Anna se cassase com Hans porque eles tinha acabado de se conhecer
2- Elsa quis afastar a irmã com o monstro para protege-la. E o monstro só machucou Anna pq ela provocou
Vc ta tentando achar pontos negativos no filme.

Caio Amaral disse...

Edinaldo:

Não seria imoral Elsa mentir pra irmã dizendo que tem uma doença contagiosa (o que é quase verdade pois os poderes dela eram vistos como uma doença), num contexto onde ela está sendo FORÇADA a ocultar a verdade contra a própria vontade.

Não tenho nenhum problema com a princesa de Valente e com personagens femininos fortes (amo a Ripley da série Alien por exemplo, que é praticamente o Rambo mulher). E o que eu gosto na Cinderella (ou Cinderela) não é o fato dela ser "indefesa", e sim o caráter benevolente dela, o que pra mim na verdade é sinal de FORÇA de caráter, considerando o que ela passou. Elsa sim é que é indefesa nesse sentido... Ela aceita a opinião dos outros de que ela é amaldiçoada, quando na verdade ela apenas tem talentos especiais que ainda não sabe controlar. Ela aceita cortar comunicação com a irmã sob argumentos ruins. Uma pessoa de fato forte teria lutado contra o preconceito e contra as exigências irracionais dos pais e dos trolls.

Resumindo - o que eu pessoalmente não gosto no filme não é o fato da princesa ser "forte", e sim o fato dela ser complexada e provocar sofrimento desnecessário nos outros.

ElsaLOVEtrueFOREVER disse...

Esse filme é maravilhoso Elsa é o melhor personagem !
Nem vou por argumentos aqui porque já tem vários totalmente válidos.

Anônimo disse...

cara.. procurar erro nesse filme ja é paranóia.. o que realmente me encanta nele é que ele não é um classico conto de fadas padrão... ele quebrou padrões... e eu prefiro a elza problemática... humana.. ela fez as pessoas sofrerem mas não foi porque ela quis.. tá.. talvez ela tivesse sido a vila no começo do projeto.. mas transformar ela em um personagem humano foi a melhor coisa que poderiam ter feito no filme..

Anônimo disse...

ah e outra coisa... acabei de ver a rainha do gelo original.. é aquele vilão batido que nem nome tem! uma vilã fria, solitária que sequestra as suas vitimas para viverem com ela em seu castelo gelado.. e pra isso usa de magias de encantamento (na lingua dos RPGs magias de dominação mental)

mais um motivo pra eu gosta da elza.. ela prefere viver isolada do que trazer as pessoas pro seu inferno de gelo ^^

Caio Amaral disse...

Olá! Elsa poderia ser mocinha, vilã, um personagem batido, ou não-batido, isolada ou não, por mim tanto faz.. Meu único pedido seria: não retrate o que é bom de maneira negativa, nem o que é mau de maneira positiva.

Anônimo disse...

Olá Caio, observei um detalhe no filme que talvez tenham poucas pessoas que tenham observado, no caso eu vi por mim mesmo (não na internet), quando ela acaba de cantar "Let it go" e aparece a fachada do castelo de gelo que ela acabou de construir dá pra ver um monstro nitidamente. Se não viram, então observem!

Caio Amaral disse...

Oi, to olhando aqui várias vezes no YouTube mas não encontrei nada..! Pra mim só está aparecendo um castelo mesmo :-S

Giovanna Serejo disse...

acho que esta errada sobre Elsa ela ama tanto a irma que tem medo de machucala de novo e ate matala sem querer alem disso elsa esta certa sobre nao aceitar o casamento de ana hanns e quando ela canta nas colinas ela esta feliz dizendo que esta livre que ficou emfurnada no quarto por anos e que nao vai se arrepender por nada porqur tudo que ela fez foi sem querer quando seus pais morreram anna foi falar com ela mas ela tambem estava sofrendo muito mas tinha medo de sair e chamala de monstro e machucar sua irma ou outra pessoa

Andrea Visconte Martins disse...

" Quem não teto de vidro que atire a primeira pedra"....
Gente! Na boa, Será que vimos o mesmo desenho? Não vi nenhum tipo de falha de caráter na personagem Elsa. Apenas uma atitude de que quer proteger a irmã...
MAS a democracia está aí para isso...

Caio Amaral disse...

Achei ela uma pessoa fraca... por deixar fatores externos destruírem sua inocência... e injusta... por descontar isso em cima dos outros...

Anônimo disse...

Eu acho Caio que vc se irritou com a personagem sem motivos ela só escondeu os poderes pq estava com medo de machucar a Ana e as pessoas.Depois daquele acidente ficou com um pouco de trauma!!, Caio vc deveria ver novamente o filme de novo e ver a tristeza por traz da história da Elsa!!!!

Anônimo disse...

Caio vê se cresce, parece até que você é analfabeto funcional,não entendeu o filme? Elsa foi criada assim desde pequena, não lembra, o pai dela deu as primeiras luvas pra ela, e disse que ia cortar o relacionamento dela com a irmã e com todas as pessoas do reino!Ela não podia brincar com a Ana nem si quer falar com ela!!!

StarsBR disse...

1º Concordo com a parte da comunicação
2º Sobre o casamento, Elsa pede para falar sozinha com Ana, e ela não falaria "ele só quer virar rei" na frente dele , e no final pode-se ver que Elsa estava certa, pois ele realmente se revela um interesseiro.
3º Ela viveu isolada a vida toda, não absorveu conhecimento de fora, não tinha experiência com amor, e coisas do tipo, por isso não adianta esperar dela que entenda coisas do tipo.

StarsBR disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
StarsBR disse...

1º Concordo com a parte da comunicação
2º Sobre o casamento, Elsa pede para falar sozinha com Ana, e ela não falaria "ele só quer virar rei" na frente dele , e no final pode-se ver que Elsa estava certa, pois ele realmente se revela um interesseiro.
3º Ela viveu isolada a vida toda, não absorveu conhecimento de fora, não tinha experiência com amor, e coisas do tipo, por isso não adianta esperar dela que entenda coisas do tipo.

Anônimo disse...

eu percebi, que voce simplismente nao gosta de elsa e nao liga se os motivos sao completamente descabidos e sem razao nenhuma. nos assistimos o mesmo filme? 1-elsa era uma criança,que quase matou a irmã. os pais dela a amavam mas a viam como perigosa e queriam ela longe de todo mundo,como disse crianças nao tem maturidade e tem medo ela começou a acreditar que ela era perigosa,e acatou os pais ao pé da letra ficando longe de todos.2-como contar pra sua irma que vc quase a matou,ah mais ela podia inventar,cada pessoa enfrenta os problemas de um jeito elsa quis se isolar,se ela dissese que era doente e bla bla bla, que doença é essa que nao passa, lembrando que anna se lembra delas brincadando e toda infancia so nao lembra dos poderes, vc nao acha q ela acharia estranho essa doença incuravel, alem de que mesmo que elas se falassem pela porta elsa so poderia se tornar uma pessoa um pouco amargurada e talvez fria,tantos anos isolada sem ver outras pessoas.quando os pais morreram as duas estavam sofrendo,sim a irma chamou por ela e ela nao foi mas elsa havia congelado o quarto,e ela nao controla seus poderes vc acha que uma pessoa que pensa que é altamente perigosa no momento de total descontrole emocional ia sair do quarto pra congelar a irmã, ou qualquer coisa? ela achava que naquele momento ela nao ia ajudar em nada. mas vc nao prestou atençao no filme ou assistiu outro frozen que viu coisas que ninguem viu.3-na festa ela agiu correta como irma mais velha e responsavel e rainha anna vem dizendo que vai casar e vai morar com ele no castelo sem mais nem menos, oque é isso cinderella pra em uma noite de baile eles se apaixonarem e dai vamos se casar em frozen as pessoas.sim hans nao aparentava ser mal, mas é essa a questao voçe nao casa pq acha que a pessoa é boa,pq ele aparenta ser bom,casa pq vc tem confiança na pessoa, convive com ela sabe seus defeitos e aceita eles e sabe suas qualidades e isso td nao se tem em 4 ou 5 hrs ou 1 mês, e sim em muito tempo.parece que vc simpatiza ate com hans mesmo ja tendo descobrido que ele era o vilao.4-ela nao machuca as pessoas, ela n controla os poderes e de repente involuntariamente ela solta o gelo nas pessoas do baile e logo gritam que ela é feiticeira e que tinham que a prender, entao ela corre ela tenta dizer para as pessoas ficarem longe e as pessoas so ficavam em cima dela entao ela, cercando e fritando bruxa, e ate fiquem longe do meu filho, vc acha que como rainha ouvir essas coisas ser renegada e soldados queriam a prender pq ela ficaria.para ser presa.quando ela comeca a musica let it go, ela n sabia que havia congelado e pensava que ninguem a queria por perto depois de mostrar seus poderes entao pensou eles devem estar melhor sem mim,entao eu vou ficar aqui sozinha como de costume.

Caio Amaral disse...

Se não há razão nenhuma pra eu não gostar da Elsa, então por que eu não gostei dela? E gostei da Anna, por exemplo - e de outras princesas da Disney? Algum motivo deve ter, não? O que eu tentei nessa postagem foi explicar os motivos pelos quais eu não gostei da Elsa.. Mas pelo visto vocês não acreditam.. e devem ter uma explicação melhor pra minha reação negativa à ela..

Anônimo disse...

Querido, vamos lá:

- O acidente delas na infância não é banal. Banal é você machucar seu coleguinha na rua sem querer, esbarrando nele. Agora, quase MATAR seu coleguinha e depois ouvir uma conversa dizendo que o que você fez é fruto de uma MALDIÇÃO definitivamente não é banal. Suas colocações são completamente equivocadas.

- O não de Elsa ao casamento de Ana e Hans é completamente aceitável. Uma princesa trancada a vida inteira num castelo, não acha que algum galã metido a besta não tentaria a coroa? A Elsa teve a "malícia" pra ver isso logo de cara. Até mesmo porque, é completamente descabível que alguém se case com uma pessoa que conheceu em um único dia. O próprio filme constrói isso de maneira clara, já que nem a Ana casa com o Kris no fim do filme. Elsa nem é uma pessoa positiva, por conta do isolamento e depressão que ela sofreu na infância. Acha mesmo que ela conseguiria olhar o noivado com bons olhos?

- Elsa não é falsa. Ela podia ter inventado um monte de mentiras pra irmã, mas ela não quis. Se ela não podia brincar com a irmã sem quase matá-la, se ela não poderia conversar com Ana sendo verdadeira, então ela se sentiria um monstro. E foi como ela se sentiu por muito tempo. Aliás, já te passou pela cabeça que os pais da Elsa não queriam ela fora do quarto ou sequer falando com a Ana? A PRÓPRIA ELSA NÃO QUERIA CHEGAR PERTO DOS PAIS COM MEDO DE MACHUCÁ-LOS. Ela queria poupar as pessoas de chegarem perto dela e se ferirem.



Sinceramente eu me pergunto se você realmente viu o filme ou coisa parecida. tsc tsc

Anônimo disse...

gente, a Elsa é do bem e eu posso provar isso 1- ela só quer proteger a irmã que ela quase matou, 2- ela diz não para a Anna pois ela não quer que ela se case com um cara que ela acabou de conhecer, e isso mostra o quanto ela que proteger a irmã, pois é isso que um pai, mãe ou responsável faria como uma pessoa responsável e censsata (não sei como se escreve : P) ela disse não para proteger sua irmã. 3- Elsa canta e constroi o castelo pois ela se sente livre para ser o que ela realmente é, e vc não deve ter prestado atenção nas partes mais importantes do filme pq estava procurando defeitos, ela não viu a catastrofe, e mais uma coisa, ela n é fraca, ela esta com medo e eu sinto muito se vc acha que todas as princesas devem se permanecer caladas quando se sentem ameaçadas, ela esta se expressando. ela não poderia falar com Anna por ordem de seus pais e dos trolls. e vou te contar uma coisa, não importa se o mundo inteiro tentar falar sobre isso, vc não vai mudar pois começou com isso e quer ganhar, mesmo que tenha que lutar com todos do mundo, mas tudo bem essa é sua opinião, mas a minha é Elsa looooooooooooooveeeee

Anônimo disse...

Penso que o motivo real para que a Disney tenha decidido deixar de retratar Elsa como vilã, em que pese todas as falhas gritantes no roteiro que essa mudança gerou, e que foram devidamente apontadas na matéria, é que isso diminuiria a simpatia das meninas pela personagem e consequemente, as vendas de suas bonecas.
Poderiam ter feito dela uma vilã que se redissime no final, mas isso nem sempre é bem assimilado pelo público.

Caio Amaral disse...

Pode ser.. Mas se ela fosse uma vilã, as meninas comprariam a boneca da irmã Anna.. assim como compram boneca da Cinderela e não da madrasta má.. sei lá.. Acho que o ideal pra essa história seria que ela fosse uma heroína mal compreendida, assim como a Malévola (nesse filme com a Angelina) ou então a bruxa do musical Wicked (que parece ter inspirado Frozen). Aí elas são inocentes, mas injustamente rotuladas como vilãs.. Mas pra ser isso, a Elsa teria que ser bem mais bondosa e inocente do que ela é em Frozen, onde fica um meio termo entre heroína e vilã.

Anônimo disse...

Vc ñ tem mas nada pra fazer alem de criticar um desenho infantil

Caio Amaral disse...

Um desenho infantil que faturou mais de 1 bilhão no mundo todo e se tornou um dos maiores sucessos de todos os tempos.. E que certamente influenciará muitos outros desenhos.. E quem consome esses desenhos e absorve os valores que eles transmitem são milhões e milhões de crianças.. que no futuro serão adultos.. pais, professores, políticos.. Se vc acha que a cultura popular não influencia a formação dos valores das pessoas, pense de novo!

Filipe C. Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

caio pensei o mesmo que vc principalmente quando ela faz o boneco de neve , masssss melhor nem falar nada aqui poiso povo sempre fala que sou do contra mesmo rsrs

Anônimo disse...

realmente quanto a personaliade da elza fiquei meio decepcionada e triste, me pareceu mais pra rainha má do que pra boazinha, principalmente quando ela criou o monstro das neve tsc tsc

Anônimo disse...

"Mas pra ser isso, a Elsa teria que ser bem mais bondosa e inocente do que ela é em Frozen, onde fica um meio termo entre heroína e vilã."

Curiosamente, parece que quase a produção do filme seguiu nesse sentido, segundo a notícia abaixo, sobre uma cena entre Elsa e Anna, antes da festa de coroação, que ficou só no rascunho e foi cortada do filme, porque a direção achou que fazia o relacionamento entre as irmãs parecer muito normal. Ao que parece, nem os desenhistas da Disney entendiam a razão de tanto distanciamento entre as personagens, como pretendeu o roteiro do 'frozen'.
ttp://www.thedailybeast.com/articles/2014/02/21/it-s-a-good-thing-this-scene-was-deleted-from-frozen.html

Caio Amaral disse...

Verdade.. Acho que eles simplesmente foram seguindo as tendências.. uma das crenças atuais entre os roteiristas de Hollywood é que o personagem não pode ser muito gostável logo de cara.. se não ele não terá um "arco" dramático interessante.. ou seja, eles colocam de propósito várias falhas no personagem, pra isso intrigar o espectador..

http://nofilmschool.com/2014/11/hollywood-reporter-screenwriter-roundtable

Eu concordo que o personagem não pode começar já completo, feliz e realizado, pois não haveria interesse no resto da história.. então vc tem que mostrá-lo com desvantagens, problemas, dificuldades.. mas não torná-lo incorreto, antipático... são coisas diferentes que os roteiristas parecem estar confundindo.

Anônimo disse...

Tais teorias não ajudaram a criar uma história a partir do zero, uma vez que os roteiristas descartaram totalmente a história original da rainha da neve de Andersen (na qual "frozen' seria supostamente baseada). No passado os roteiristas da Disney, que não deviam ter tanta formação acadêmica, eram fiéis no essencial aos contos. Cinderela foi essencialmente uma adaptação do conto de Charles Perrault, e Branca de Neve uma adaptação dos Irmãos Grimm. Ambos os filmes tinham "enfeitamentos" (como os nomes e personalidades diferentes dos anões, que não aparecem no contos dos Grimm e foram invenção de Disney), mas que não comprometiam a narrativa original

Anônimo disse...

Em acréscimo ao comentário anterior, a história da rainha da neve de Andersen, em muito poucas palavras, é assim: um garoto chamado Kay é atingido por um estilhaço de um espelho mágico fabricado pro um ente maléfico, e se torna frio e maldoso, e vai viver no palácio da rainha da neve, uma entidade com coração de gelo. Uma menina chamada Gerda, amiga de Kay, parte sozinha para resgata-lo, vivendo uma série de aventuras, até encontra-lo quase congelado, e, com suas lágrimas, limpa e aquece seu coração, fazendo com que ele volte a ser o que era antes. Na historia de Andersen não há equivalentes de Hans, Kristof e Olaf (este parece ser uma versão cômica de um personagem de outro conto de Andersen, sobre um boneco de neve que tem um sonho impossível de chegar junto a uma lareira. Esta história é triste, como quase tudo que Andersen escrevia, mas pelo menos era clara: o boneco não realizou seu desejo suicida, o inverno acabou, e ele derreteu, revelando que tinha por ‘espinha dorsal’ um ferro utilizado para limpar lareiras. No desenho, não há explicação para as motivações de Olaf).
Talvez os roteiristas de ‘Frozen’ devessem ter preservado alguns elementos da história de Andersen, e tendo mesclar algumas características de Kay na personagem de Elsa, apresentando-a como vítima de um malefício que a tivesse corrompido. Talvez alguma coisa assim pudesse tornar a história mais coerente. Mas, na minha opinião, o casal de diretores estava obcecado demais com idéias de ‘empoderamento feminino’ para admitir alguma imperfeição em Elsa, e por isso não conseguiram desenvolver uma história bem articulada.
As produções infantis atuais parecem estar sendo produzidas, dirigidas e roteirizadas por intelectuais que desprezam – na verdade, até mesmo odeiam - toda a antiga literatura infanto-juvenil e o cinema produzido com base nela, acreditando, muitas vezes sem um conhecimento mais profundo, que tudo nessas manifestações culturais se resume a machismo, racismo, espírito de classe, homofobia, e incorreção política. Em resumo, seriam versões açucaradas de Conan, o bárbaro. Daí essa necessidade de ‘vingar’ todo personagem que nesses contos aparece sob alguma ótica negativa. Talvez venha daí a estranha decisão do roteiro de Frozen de dar o nome de Hans ao mal-estruturado vilão (cuja vilania foi revelada numa reviravolta inconvincente digna de novela da Globo), que poderia muito bem ter um outro nome qualquer. O nome de Hans foi associado por muita gente ao de Hans Christian Andersen, e houve quem pensasse que o personagem seria um tipo de homenagem ao autor da rainha da neve. Transforma-lo em quase assassino de sua personagem talvez tenha sido mais uma vingança feminista da roteirista Jennifer Lee.

Caio Amaral disse...

Legal, obrigado por dar esse background pro filme! Eu não conheço os contos originais então meus comentários são baseados apenas nas impressões que o filme me deixou.

A teoria do nome do Hans é interessante! Mas eu nunca tinha pensado nisso - que a revolta dos produtores atuais fosse em relação a machismo, a racismo.. Pra mim parecia apenas uma rejeição do conceito de herói que se tinha antigamente.. um desejo de desconstruir a ideia de princesas e príncipes encantados.. de algo idealizado.. pelo menos é o padrão que observo em filmes atuais do tipo.. Abs!

Anônimo disse...

tira a luna pra assistir o filme tiozão !!!!

parece que vc não entendeu muito bem, o trauma sofrido pela elsa, logo no inicio , justificando todo o comportamento dela antes da era "livre estou",assim tudo que voce usou como desculpas para maliciar com a personagem é lixo ! após "livre estou" ai sim ! ela se mostrou mais fria.. fazendo um coisa que me intrigou como na parte em que criou um monstro de neve com personalidade "modo kill-kill-kill".. ela parecia estar bem animadinha durante sua transformação let it go , não se importando muito com as pessoas que deixou.. enfim... antes disso não existe maldade nunhuma !!

Anônimo disse...

CAio, fico satisfeito que meu comentário do dia 21.11.14, 16:05h tenha sido proveitoso.

Caio, fico feliz que o comentário de 22.11.14, 16:05h tenha sido útil.
Frozen tem sido saudado por certa parcela de público como um filme 'progressista', com mensagens feministas (no entanto, Mulan e Valente eram melhores nesse quesito). Mas essa visão 'feminista' exige esquecer que no filme foi Elsa quem causou todos os problemas. Ou feminismo será dizer que todos os homens são ruins, ou na melhor das hipóteses, irrelevantes?
A propósito, na última sexta-feira tive a insatisfação de ouvir duas vezes seguidas, numa festa do colégio de meu filho a "Let it Go", em sua versão aportuguesada de "Livre Estou" e tenho de concordar que um roteiro coerente para o filme exigiria o refazimento ou até a eliminação dessa música pretensiosa, oca e cheia de gritos. "Let it Go" só não vai se tornar a trilha sonora mais irritante da história do cinema porque "My Heart Will Go On" é imbatível nesse quesito. Uma canção que afirma que não há certo ou errado não pode se pretender herócia. Quem gostou não a entendeu.

Anônimo disse...

anonimo acima por favor retire a luna !!!!

Caio Amaral disse...

Gente, que história é essa de luna?

Olha, meu problema com "Let It Go" não é a música em si, mas a atitude da Elsa e o contexto em que a canção é cantada na história... A composição isoladamente eu acho boa... e tb não vejo problema nenhum em "My Heart Will Go On"... mas enfim, a discussão aqui é outra, hehe. Abs!

Anônimo disse...

"contexto em que a canção é cantada na história" ?? não entendi o que voce quis dizer

Caio Amaral disse...

Eu acho a música boa em termos de melodia, etc, mas errada para aquele ponto da história e pro personagem da Elsa.. O filme parece achar que a personagem é uma pobre inocente, castigada injustamente por uma sociedade cruel, preconceituosa, e que ela agora está se libertando desse universo repressor e indo atrás de seus valores.. Mas pelo que comentei na postagem, a situação não é bem essa (nem ela é tão inocente, nem a sociedade é tão cruel).. no musical Wicked a cena equivalente a essa funciona melhor (Defying Gravity).

Anônimo disse...

Eu acho que a Elsa; antes de se trancar;podia ter uma conversa com a Anna antes de se trancar.mas po r outro lado;a Elsa tratou Anna mal quando a irmã foi lá. Ela devia ter um pouco D consideração com a irmã porque a Anna fez de tudo para encontrar ela e também fez de tudo para que Elsa voltasse para Arendelle.e no baile da coroação;Elsa parecia mae de Anna.e a repreensão do casamento foi quase como um instinto materno.

Anônimo disse...

Concordo com você; anonimo acima

Anônimo disse...

Falou tudo!

Anônimo disse...

não não e não !!!
elsa agiu da melhor maneira ! anna é muito inocente e queria casar com um cara que recem conheceu !?¡?¡ , elsa como irmã mais velha e "Rainha" tem a noção do perigo que isso implica !

Anônimo disse...

A questão do casamento, a meu ver, ficou mal colocada, pelo menos no contexto em que a história foi ambientada, numa monarquia européia do séc. XIX. nessa época os casamentos da realeza não envolviam plebeus que se conheciam na universidade (como William e Kate Midleton); princesas casavam com príncipes de outros países, se conhecendo muito, ou pouco, conforme o caso (certamente as distâncias não ajudavam). Houve casos extremos em que os cônjuges só se conheceram pessoalmente depois de sacramentado o matrimônio, como o do imperador brasileiro D. Pedro II e Teresa Crisitna. Conta-se que D. Pedro, ao ve-la pela primeira vez, achou-a tão feia que quis anular o casamento, e precisou ser dissuadido por sua ama. Mas alguns casamentos reais antigos teriam se baseado em amor à primeira vista. Um dos mais famosos foi o do imperador Franz Josef I da Áustria com Elizabeth da Baviera, a impetratriz Sissi, cuja história foi celebrada nos filmes estrelados por Romy Schneider.

Anônimo disse...

Só para esclarecer, o casamento entre D. Pedro II e Teresa Cristina foi celebrado por procuração, de forma que ele não estava presente na cerimônia. O casamento foi um arranjo entre o Brasil e a família real de Napoles, e D. Pedro II só conhecia D. Teresa Cristina por um retrato a óleo 'fotoshopado', por assim dizer.

Caio Amaral disse...

Pelo que sei, antigamente sexo antes do casamento não era bem visto.. as pessoas se casavam primeiro, muitas vezes sem conhecer muito bem o parceiro, e só depois iam ter uma convivência mais íntima.. Muitos filmes de época mostram situações assim. Não achei nada absurdo, dentro do contexto da história, os dois quererem se casar. Após essa sequência (https://www.youtube.com/watch?v=TtCXUFImZYE) fica óbvio pra plateia que eles foram feitos um pro outro.. Reprimir essa relação depois desse momento seria uma atitude apropriada apenas para um vilão do filme, e não pra suposta heroína.

Anônimo disse...

De fato, não era absurdo que os personagens quisessem se casar, no contexto da história. E, além dessa cena, ainda teve o momento final do primeiro encontro no cais, em que Hans cai na água e emerge com o ar de quem foi flechado pelo cupido. Mas a cara que ele faz não poderia ser para enganar Anna, que já tinha ido embora, e ele não estava sendo observado por mais ninguém no filme, só pelo cavalo. Foi uma cena que serviu só para enganar a platéia. Li algumas matérias na internet dizendo que a vilania de Hans teria sido decidida pelos roteiristas na última hora, aparentemente como forma de evitar que Elsa ficasse como a figura má, e esqueceram de cortar do filme o sorriso de Hans que aparece nesse vídeo (1:28-1:30):
https://www.youtube.com/watch?v=Z5wIzJr33Ko
Essa matéria fala da mudança no roteiro:
http://www.weeklystandard.com/blogs/defense-prince-hans_792737.html

Caio Amaral disse...

Ah sim, essa cena é importantíssima...! Obrigado por lembrar dela... Somando todos esses detalhes, o filme acabou me convencendo que os dois seriam felizes juntos e formavam um casal perfeito... Por isso acho estranhíssimo os espectadores que ficam felizes quando a Elsa corta o barato deles na festa...

Anônimo disse...

anna é boboca elsa é foda !

Anônimo disse...

Fico pensando se a Elsa teria esse eleitorado todo se, em vez de parecer com a fada Sininho, tivesse (com a mesma história) sido desenhada igual à Cruela de Vil ou à Madame Medusa de "Bernardo e Bianca".

Anônimo disse...

vai passar agora no telecine premium frozen uhuuul !

Anônimo disse...

com a mesma historia a aparencia da personagem não ficaria coerente... não faria sentido mesmo a historia mudaria automaticamente

Anônimo disse...

Acho q a elsa nao deixou ana se casar pq achava q ela devia conviver conversar e conhecer mais o hanz pq se formos olhar pela logica é um pouco perigoso casar com alguem q vc nem conhece direito então por isso q ela não deixou.
E ela se afastou da irmã pq era preciso pra segurança de anna pq se ela fosse brincar com ela de novo poderia muito bem atingir o coração de anna e preferiu não mentir pra irma como já foi dito, pq se ela estivesse mentido iria se sentir pior do que já estava se sentindo.
Então é por isso q não concordo com esses motivos q VC postou.

Anônimo disse...

E a elsa não atingiu o coração anna de proposito, pois ela estava de costas.

Anônimo disse...

"com a mesma historia a aparencia da personagem não ficaria coerente... não faria sentido mesmo a historia mudaria automaticamente"
Quer dizer então que se Elsa fosse feia a história seria diferente? Então as motivações dela não seriam nobres como tanta gente diz? Então isso significa que as pessoas gostam de Elsa porque ela é bonita, não por causa de seu agir.

Anônimo disse...

Véii. !! se a elsa fosse feia, a historia teria que retratar o porque dela ser diferente entende ?!?! ela poderia ser filha de um bruxa ou algo do tipo... ou uma maldição jogada no rei e na rainha... nesse tipo de coisa que a historia poderia mudar !

Anônimo disse...

em relação ao casamento de anna e hanz não tinha realmente condições de se casarem elsa agiu certo e ponto ! não venha com historia de que antigamente era desse jeito mesmo, porque antigamente os noivos realmente podiam nunca ter se falado antes de um casamento, más as familias ja tinham alguma historia juntas convenhamos e sem falar de todo um interesse comercial e etc que fique bom para ambas as familias !!!

Anônimo disse...

"Véii. !! se a elsa fosse feia, a historia teria que retratar o porque dela ser diferente entende ?!?! ela poderia ser filha de um bruxa ou algo do tipo... ou uma maldição jogada no rei e na rainha..."
Isso que você descreveu poderia e até deveria ter sido inserido no filme, independente da Elsa ser feia ou bonita. O grande problema do filme é que nao lida com a origem nem com a natureza dos poderes de Elsa. Mesmo nos antigos seriados da TV americana com bruxas bonitas e boazinhas, como aqueles da Samanta e da Sabrina, ficava claro pro público que as personagens principais eram bruxas porque vinham de famílias de bruxos.

Anônimo disse...

bom essas lacunas misteriosas sobre elsa acredito ter sido proposital pra uma suposta continuação do filme

Anônimo disse...

Pode até ser, mas muitas lacunas parecem ter decorrido de lapsos de memória dos roteiristas. Como, p. ex.: quem governava o reino no período entre a morte dos reis e a maioridade de Elsa? Quem era responsável pelas princesas e pela sua educação? Quanto à essa última pergunta, parece, segundo alguns sites, que o velho duque bigodudo foi imaginado pelos autores para ser um preceptor('royal handler', nos sites em ingês) das princesas, mas depois mudaram o perfil do personagem, esquecendo que seria necessário alguém naquela função.

Anônimo disse...

acredito que muitos desses detalhes , só deixaria a historia complexa demais nesse primeiro momento , por isso acredito ser proposital

Anônimo disse...

Na verdade, alguns desses detalhes esclareceriam mais a história. Se o Duque tivesse sido o preceptor ou tutor de Elsa e Anna, o isolamento das duas poderiria explicado, porque ele teria sido o carcereiro delas. Os roteiristas se quisessem poderiam ser os passos do Ricardo III de Shakespeare, que encarcerou os sobrinhos para poder subir ao trono.

Anônimo disse...

Ademais, na holywood dos atuais, quando os roteiristas começam a adiar explicações 'propositalmente', é sinal de que não vão conseguir formula-las direito depois. Vide as continuações de Matrix, ou as temporadas posteriores de Lost.
As continuações da Disney~também não costumam ser memoráveis. Ninguém costuma se lembrar das seqüências de O Rei Leão, Pocahontas ou Cinderela. A propósito, no Cinderela 2 a Disney arrumou um marido para uma das filhas da madrastra que era a cara do Kristof, só que mais gordo:
https://www.youtube.com/watch?v=pnIWWhn5mU8

Anônimo disse...

espero que se acontecer mesmo a continuação para frozen seja algo marcante !

Anônimo disse...

Acho difícil que a Disney faça uma continuação de Frozen, salvo se for algum cura-metragem com uma história água-com-açúcar, como essas revistas que agora estão nas bancas. Vai ser muito difícil repetir a fórmula bem-sucedida comercialmente do filme, porque a grande 'mensagem' da 'celebração do amor fraternal' (coisa que afinal não ofende ninguém e que pode ser apropriada por qualquer um, independente de credo) já foi devidamente passada, e sua repetição não causaria a mesma empolgação. Além disso, os roteiristas já gastaram a sua, por assim dizer, 'tacada de mestre', que foi o ato sacrifical de Anna, que convenceu as feministas de que ela era uma garota marrenta que não precisava de marmanjos, e convenceu religiosos conservadores de que ela seria uma alegoria de Cristo, se imolando pela 'pecadora' Elsa. Conciliar de novo tais expectativas opostas seria muito improvável.

Anônimo disse...

não as mesmas situações pois ficaria muito repetitivo certamente.. más criar uma nova aventura, assim como acontece em enrolados ( se bem que nesse, não ficou muito bom)

Anônimo disse...

Em "Enrolados" a Disney reescreveu a história de Rapunzel por diversas razões. Em parte para alongar a história para preencher um longa-metragem e em parte até por recato, pois suprimiram a parte em que, na versão original dos irmãos Grimm, a Mãe Gothel descobre que Rapunzel era visitada pelo amado, e a abandona no meio de um deserto, e ali Rapunzel dá à luz a um casal de gêmeos. Obviamente todo mundo concluiria como ela engravidou, por isso a história foi mudada, para que as pessoas não achassem que Rapunzel andou se 'enrolando' de forma indevida com o rapaz, e assim ela escapou de ser a primeira princesa Disney grávida.
No caso do Frozen, o problema é a ambiguidade de interpretações da história, que dificilmente poderia ser levada adiante. Se você pesquisar na internet, vai ver que Frozen foi saudado como filme feminista, cristão e até pró-gay (estes por aqueles quiseram ver um suposto lesbianismo de Elsa, e também por causa do suposto casal formado pelo Oaken e o cara na sauna). Como os roteiristas vão lidar com tais expectativas conflitantes? Obviamente eles não podem pender para qualquer lado, porque frustrariam o outro. Frozen já frustrou um monte de gente, os que não gostaram de Elsa, mesmo com todo aquele visual sexy, terminar sem namorado (tal expectativa foi alimentada ainda pelo fato de que o cartaz do filme mostrava duas moças bonitas e dois rapazes bonitos; Hans aparece no cartaz como uma figura simpática e não é identificável como vilão), os que não engoliram a reviravolta vilanesca do Hans (nos Estados Unidos, saíram vários artigos indignados na imprensa a respeito disso) e os que não aceitaram as premissas do filme, de que Elsa era uma coitada, vitima do mundo mau (na série Phineas e Ferb, o personagem Heinz Doofenschmirtz sofreu muito mais humilhações e maus-tratos de sua família que Elsa, e mesmo assim é tratado como vilão). Uma continuação já vai ter um público menor por conta dessas expectativas frustradas, e vai gerar novas frustrações.

Anônimo disse...

acredito que os autores deveriam aproveitar essa febre que frozen esta no momento e taca-lhe pau na continuação porque se deixa esfriar, a aceitação vai ser bem complicada, eu acho que nem valeria a pena até..

Anônimo disse...

Eles teriam que ter um argumento na ponta da língua para uma continuação, o que duvido muito. além disso, como já disse, os grupos muito díspares que aplaudiram frozen por razões diferentes vão querer definições que seriam inviáveis. Nenhum personagem poderia 'sair do armário' para agradar a mídia liberal, porque isso afastaria o público conservador que é um sustentáculo da Disney. Nem eles podem recuar arrumar um príncipe para Elsa (na época da produção do filme algumas pessoas de fora até quiseram influenciar a Disney para que esse fosse o Hans), porque os progressistas que louvaram Frozen ficariam frustrados.

Caio Amaral disse...

Gente, como você entende tanto desse assunto? Muito interessantes as observações.

Anônimo disse...

Obrigado pelo elogio. Só andei fuçando muita coisa na internet a respeito do Frozen, por curiosidade, causada pelo oba-oba midiático acerca do filme, aguçada pelos comentários que o saudaram como o filme mais "progressista" da Disney, do tipo desse:
http://www.revistaforum.com.br/questaodegenero/2014/06/03/malevola-frozen-e-valente-o-amor-entre-mulheres-comeca-despontar/

Anônimo disse...

o caio fica só na observação kkk

Caio Amaral disse...

Ah, é que eram 2 anônimos conversando entre si.. não quis me meter, hahah.

Anônimo disse...

O filme tem cenas bonitas, como aquela da Anna com os quadros, mas não tem uma história bem amarrada. Os desenhistas e compositores fizeram mais pelo sucesso do filme que os roteiristas.

Caio Amaral disse...

Gosto também dessa cena da Anna..! A parte visual e musical do filme são bem feitas mesmo..

Anônimo disse...

as musicas são perfeitas !! não há outro musical da disney no mesmo nivel !

Anônimo disse...

RINDO MUITO AQUI!!!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

ACORDA PARA A REALIDADE!!! QUE VERGONHA ALHEIA!! AFF

Anônimo disse...

A história do filme não fazia sentido. A Elsa não poderia simplesmente usar luvas todo o tempo, e dizer que tinha uma doença de pele? Psoríase, por exemplo? Ou então, já que tinha tanto medo de seus poderes, não poderia se isolar de uma vez, indo para um mosteiro, ou outra coisa assim, em vez de ser coroada rainha?

Caio Amaral disse...

Exato.. seria o natural.. ninguém vive anos e anos uma vida de miséria e tristeza a não ser que seja uma situação absolutamente sem saída (e acho difícil imaginar uma situação assim... até nos filmes mais trágicos que eu já vi, por exemplo "A Escolha de Sofia" ou "Dançando no Escuro", as personagens ainda lutam pra manter uma atitude positiva).

Já acho estranha a ideia dos poderes dela serem uma "maldição".. Tanto fadas quanto bruxas têm poderes.. é a FORMA que elas usam seus poderes que as torna boas ou más.. A luta da Elsa no filme deveria ser pra 1) aprender a controlar os seus poderes 2) convencer a sociedade que ela é do "bem" e que seus poderes podem ser usados de forma construtiva.

Anônimo disse...

"RINDO MUITO AQUI!!!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

ACORDA PARA A REALIDADE!!! QUE VERGONHA ALHEIA!! AFF "

Não entendi... esse anonimo tiro uma pira errada mesmo...

Rafael Silva disse...

Leia isso pra vcs ve em
Como rainha, Elsa age calma, reservada e régio, bem experiente na graça e equilíbrio. Quando era mais nova, ela se preocupava fortemente com Anna e, embora fosse a mais madura das duas, ela era muito brincalhona. No entanto, desde que a sua magia quase causou a morte de sua irmã, Elsa tinha vivido com medo em uma grande parte de sua vida, muito nervosa para deixar seus poderes aparecerem. Como resultado, Elsa desejou isolamento de todos que ela se preocupava, incluindo Anna, por medo de que ela pudesse machucá-los, e optou por manter as coisas para si mesma, em vez de se comunicar. No entanto, sempre com medo ou pressão, suas emoções causam sua magia para ser lançada nas formas de gelo mortal e tempestades.

Elsa é sensível em relação a outras pessoas e seu bem-estar, como Elsa sempre sentiu que tinha de estar longe das pessoas, tanto quanto possível, a fim de mantê-los seguros. Como tal, ela sentiu que não poderia verdadeiramente governar um reino por causa dessa falha. Isso também seria uma causa direta para sua interação com Anna sendo cortada, já que ela não podia controlar suas emoções poderosas quando Anna estava por perto. Por Anna ter que perder as memórias da magia de Elsa, a fim de sobreviver da maldição da irmã, Elsa também teve um tempo difícil para socializar com Anna especialmente com seu isolamento. Ela também implica que ela acha que não pertence a Arendelle, como ela vê a si mesma apenas como uma força de destruição.

Apesar de seu medo, Elsa mostra para realmente se preocupar com sua família e seu reino, como mais do que apenas uma posição, como ela era, evidentemente assustada quando percebe que ela tinha criado um inverno sobre o seu reino, quando ela tinha tentado desesperadamente para evitá-los a partir de sua perigo. Mas, devido à influência de sua magia, Elsa não gosta de enfrentar coisas que ela tinha causado, pois ela sempre acreditou que ela só pode criar inverno, não removê-lo.

Apesar de ter evitado Anna para a maioria de sua vida, Elsa estava disposta a compartilhar algumas palavras com ela, mesmo secretamente enganando o Duque de Weselton em dançar com Anna, mostrando mais de seu lado brincalhão.

No entanto, a parte mais forte de Elsa é o seu amor por sua irmã, uma característica que dá a Elsa a motivação final para salvar Anna. Embora ela se sinta responsável pelo caos que ela causou, o vínculo de Elsa com Anna lhe permite ter um controle mais forte sobre suas habilidades, a fim de salvar aqueles que ela se preocupa. A partir daí, Elsa enfrenta seu medo e aprende a usar seus poderes para o bem, em vez de desequilíbrio, e ao fazê-lo, ganha a vontade de controlá-lo.

Anônimo disse...

Se os diretores do filme queriam mostrar Elsa como brincalhona, seria preferível que, em vez de mostra-la rindo do constrangimento da irmã na dança com o duque, tivessem posto no filme a "dressing room scene", na qual Anna faz gracejos a respeito de um vestido balonê, e Elsa ri. Rir com uma pessoa é bem diferente de rir de uma pessoa.
http://video.disney.com/watch/dressing-room-frozen-deleted-scene-4f2c5738584cf81b98c36a8a

Anônimo disse...

Outra coisa que não fez sentido no filme foram os anos de isolamento de Anna no castelo, sem motivo algum na história, exceto o de fornecer uma justificativa para sua carência e sua necessidade 'fútil' de encontrar um amor romântico.

Anônimo disse...

Se os roteiristas de Frozen tinham desistido de fazer da Elsa a vilã, deveriam ter introduzido logo na história, desde o início, um personagem que fosse o vilão, de forma clara. Teria sido muito mais fácil redefinir o personagem de Elsa se ela tivesse de interagir com um vilão ao estilo clássico da Disney, um Jafar, um Scar ou um Frollo. Os roteiristas poderiam ter percebido isso, se não estivessem tão preocupados em reinventar a roda e parecer "diferentes". A Disney sempre havia sido talentosa na criação de vilões, mas em Frozen falhou miseravelmente.
Pensando bem, os vilões do filme deveriam ter sido os trolls. Na mitologia escandinava, eles são criaturas malignas. E, além do mais, ninguém gostou deles no filme, de qualquer forma. Se eles fossem os vilões e a Elsa acabasse com eles no fim, aí, sim todo mundo ficaria satisfeito.

Caio Amaral disse...

Ótima ideia!! Eu teria adorado se os trolls fossem os vilões e a Elsa acabasse com eles.. afinal, eles (junto com os pais) foram os grandes destruidores da felicidade da Elsa.. Vc devia pedir um emprego na Disney! Hehe. :)

Malevola Malfoy disse...

Cara... Meu... Vc n sabe mesmo avaliar um filme. Q idiotice falar o q vc ta flando.

1 : a elsa so se isolou da irma e do mundo pq ela percebeu q nao sabia como os controlar e teve medo de machucar, ou ate matar a irma.
ela nunca foi egoista. Ou falsa. Ela so quis proteger a pessoa q ela ama a sua irma.

Ela tenta proteger anna quando criancas, quando ela quer se casar com hans , quando ela vai atras dela no castelo. ela ate diz " nao, nao vai dar, adeus ana" ai a anna diz "nao espere " ai a elsa " nao ,estou tentando proteger vc."
Ai mostra q ela quer so proteger sua irma. Nao so nessa.cena. Mas em varias. Na parte em q a elsa faz o marshmellow (o monstro de neve ) ele so diz "vao embora" ele so fica irritado e vai atras da annna pq ela provoca ele. Concordo com todos q pessaram a mesma coisa q eu e postaram aki. ma snao cincordo com nada q vc falou. E vc pode flar o q quizer nao vai mudar minha opiniao q o q vc disse aki e so querendo ver defeito em uma historia q encantou mt gente. E q tudo q tem nela faz sentido. Se vc pensa assim azar seu. Mas de 100% concerteza so uns 5% concordam com o q vc disse.

Luana...

Ana Paula Ruggini Zarpelon disse...

É de ficar abismada ver pessoas defenderem tão veemente uma personagem de animação! Caso a Elsa fosse um personagem real, que saísse dirigindo feito louca, por ter descoberto que tem uma doença fatal, e atropelasse ou aleijasse a irmã, aposto que ninguém defenderia! A Elsa é a personificação da pessoa desequilibrada e descontrolada, que precisaria de boas sessões de terapia. Realmente ela queria proteger a irmã, mas quase a matou por não saber procurar ajuda e confiar nas pessoas!
Adoro o filme, assisto , praticamente todos os dias, com a minha filha! Mas , elogios a Elza minha filha não escuta sair dessa boca.

Devido a pessoas que tornam o incerto como certo que há séculos somos explorados e pisados! Povo medíocre!

Anônimo disse...

A historia se frozen é bem feita sim, pois elsa repara os danos a cidade e salva sua irmã. E vc pode reparar no momento 1:11'57 hans olha pra cima quando um dos caras que ia matar ela ia atirar em elsa, a salvando mas querendo prococar um ascidente como ele fala pra anna quando ele está congelada....só acho que vc deveria ver os detalhes do filme

Anônimo disse...

Era bem melhor quando a Disney fazia filmes que qualquer um entendia, sem precisar ficar caçando detalhes.

Anônimo disse...

O Hans foi uma péssima escolha para vilão. Na vida real, ele não teria direito à sucessão, mesmo casando com uma das princesas (como o Príncipe Philip não é herdeiro da Rainha Elizabeth, nem virou rei casando com ela), porque a linha sucessória das monarquias é pelo sangue, não por casamento. Ele teria que ser pelo menos primo das duas para ser herdeiro, mas isso atrapalharia aquela história de não poder se casar com um desconhecido. Se ele fosse parente, não era para ser considerado um estranho.
Pra completar, aquele negócio de Hans revelar suas más intenções abrindo o caminho para a própria derrota foi um clichê de filme de James Bond. Não dá pra entender porque tanta gente gostou.

Anônimo disse...

Vendo os detalhes do Frozen se constata muita coisa que ficou sem sentido. Para que serviu o Kristof testemunhar, quando menino, a cura da Anna pelos Trolls? Devia ter tido algum significado na história, mas parece que os roteiristas se esqueceram. E o bispo que coroou a Elsa não viu a crosta de gelo no cetro quando a Elsa o devolveu à almofada? Se era para a Elsa ser acusada de bruxa na história, ão teria feito mais sentido se fosse o bispo que a acusasse, naquela hora? Mas acho que a Disney não se atreveria a por um religioso como adversário da Elsa.

Anônimo disse...

Caio eu não acho que você deveria falar assim porque a Elsa só quer protexer a Ana sim ela deixou de falar com a Ana mas com medo de maxucar ela !!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Tá doido

Caio Amaral disse...

Alguns ótimos comentários acima..

Esses detalhes, como por exemplo o bispo não ter visto o gelo no cetro, eu até desconsidero.. Tem muitos filmes que eu adoro e que têm pequenos "furos" como esses.. pra mim as questões que pegam mais são as que me fazem desgostar da história como um todo ou do caráter dos personagens centrais.. abs!

Anônimo disse...

Não vejo sentido nessa história de que "a Elsa só quer protexer a Ana sim ela deixou de falar com a Ana mas com medo de maxucar ela". Para isso não havia necessidade de que aa Anna ficasse presa à irmã que teme se aproximar dela. Ainda se isso tivesse sentido quando elas eram crianças, quando adulta a Anna ficaria muito mais protegida da irmã se pudesse viver sua própria vida, longe dela. Não gosto dessa "mensagem" do Frozen de 'celebrar a família' como se irmãos devessem viver presos uns aos outros, em vez de serem donos de si mesmos. Na verdade, o que o filme celebra mesmo é a idéia de viver agarrado à barra da saia da mãe, pois Elsa age mais como uma mãe dominadora que como irmã.
Nisso o Frozen difere dos contos de fadas tradicionais, que não cultuavam tanto os vínculos familiares. Na verdade, muitas vezes nos contos de fada os perigos estavam dentro da família, na forma da madrasta má, dos irmãos/irmãs invejosos e do pai desnaturado (como no conto pele de asno, onde a princesa tem de fugir do pai que a deseja sexualmente; olhei no google e fiquei sabendo que há um filme francês de 1970 com a Catherine Deneuve, contando a história), e o "feliz para sempre" dos protagonistas vem do fato dos personagens se libertarem de suas famílias, amadurecerem e encontrarem o amor fora dos vínculos de família.

Caio Amaral disse...

Excelente...! O próprio "Valente" da Disney tem um pouco disso.. a menina tem que se rebelar contra a mãe e contra as tradições de sua família e do povo..

Anônimo disse...

Hoje, zapeando na Tv, vi por acaso uma cena de um filme no Disney Channel um filme chamado "Tinkerbell e o segredo das fadas" que me chamou a atenção, onde um inverno na floresta chegava magicamente ao fim, e onde aparecia uma fadinha de cabelo branco e vestido azul. Procurei no google, vi que o filme a fada sininho tem procurar uma irmã fada da qual havia sido isolada eque tem poderes de gelo. No final o encontro da Sininho com a "Elsinha" ainda tem um efeito reparador, de consertar uma asa quebrada da primeira. Esse filme é de 2012, pouco anterior ao Frozen. Parece que a falta de imaginação na Disney anda mesmo braba. Sorte deles que esse filme não deve ter sido muito assistido, porque se não muita gente teria desconfiado das semelhanças.
Nesse vídeo do trailer no Youtube, pelo menos dois comentaristas notaramm a similaridade do filme da sininho com o Frozen:
https://www.youtube.com/watch?v=_gcCorbZ6Mw

Anônimo disse...

Achei essa crítica bastante válida, jamais tinha conhecido alguém que não simpatizasse com a Elsa, eu mesma não sou anti-Elsa mas confesso que "me doí" pela Anna em diversas cenas do filme, e a que me deixou mais indignada foi quando a Elsa cria aquele monstro pra chutar a Anna do castelo de neve dela sem se preocupar se aquela coisa vai machucar a irmã.
Muito antes de assistir o filme já simpatizei com Anna e Kristoff, mas em momento algum comprei a reviravolta de Hans se tornando um vilão tão cruel, ainda mais depois daquela cena fofa em que ele encontra a Anna pela primeira vez e sorri antes de ser derrubado na água.
O que eu esperava durante o filme inteiro era que a Elsa realmente fosse uma vilã que eventualmente seria convencida pelo amor da irmã a ser uma pessoa bondosa, inclusive acreditei que a famosa frase do coração congelado se referisse a ela, mas aquele desfecho colocando toda crueldade no Hans do nada foi o desfecho mais mal arranjado possível.
De fato, a Elsa foi escrita como vilã, e a atriz que dá voz à ela realizou algumas cenas da Elsa vilã (que usava um vestido mais exótico e um corte de cabelo curto e arrepiado), onde a Elsa demonstra ciúme pelo amor que o principe sente pela irmã, e onde ela tortura dois guardas do principe para que eles digam o plano do Hans que era atacar o castelo da Elsa com um exercito. Inclusive na descrição oficial da princesa Anna, o texto diz que "Anna precisa lutar contra um exército de bonecos de neve".
Vale lembrar também que no conto original, "A rainha da neve", a rainha não é de todo malvada no fim das contas, mas provoca muito sofrimento na protagonista.
Concluindo, você está certo na sua ideia de que em vários momentos a personagem Elsa não deveria fazer com que as pessoas gostassem dela, isso apenas foi modificado em nome do marketing.

Caio Amaral disse...

Interessante a comparação com o filme da Tinker Bell...! Pelo trailer já notamos várias semelhanças..

Também acho que eu teria gostado mais se a Elsa fosse uma vilã assumida, e eventualmente se transformasse por causa do amor da irmã, etc. Onde você leu isso.. que havia essa cena onde a Elsa demonstrava ter ciúmes do romance da irmã.. achei interessante, pq foi bem o que eu senti quando ela proibiu o casamento.. não que ela desejava proteger a irmã, mas que ficou com um pouco de inveja da felicidade alheia.. e quis cortar o barato deles.. sob o pretexto de estar sendo "sensata"..

Anônimo disse...

Caio, interessante notar que a atitude inesperada já tem um certo tom agnóstico para o casal platônico, tendo em vista que o amor incondicional já é uma virtude da sensatez, inutilizando assim o pretexto do elo que estava se formando e se quebrando ao mesmo tempo. Mas eu acho que o seu comentário com relação a isso edifica ainda mais este pensamento progressista.

Anônimo disse...

Reforçando o meu comentário acima, acredito que exista uma contradição de caráter pelo que é exibido em tela e a musica cantada (a versão em inglês, a dublada altera este fato). Dando a entender um complexo reprimido, que na psicanálise é um conceito muito difundido, porém pouco aplicado. No entanto se você ignorar a música, o sentido se torna mais claro, estando de acordo com a sua (a sua Caio, não a dela) forma de pensamento. Olhando dessa forma, me diga se estou errado?

Caio Amaral disse...

Oi, não estou entendendo nada do que vc está falando! Heheh. O amor incondicional é uma virtude da sensatez?! Como assim? Por que o elo estava se formando e se quebrando ao mesmo tempo? Por que o meu comentário edifica o pensamento progressista? De que música está falando abaixo, da Let It Go, ou da música que a Anna canta com o príncipe? Abs.

Anônimo disse...

Caio, eu estou tentando transmitir a ideia do ponto de vista da psicanálise Freudiana. A música é aquela lá que o personagem canta durante a cena no castelo. O elo significa estar se quebrando e formando entre os dois e depois três, então um e dois novamente, este é o elo eterno. O próprio escritor e filósofo ensaísta que não compartilha das ideias narcisistas barrocas (vide a cena do boneco de neve), observa que o filme realmente tem um ponto de vista progressista neste aspecto, apoiado pelo seu comentário, não este acima, mas um mais antigo (eu leio e releio sempre todos os comentários deste post estabelecendo os pontos de vistas, só agora fiz um comentário de minhas conclusões), quanto ao improvável casal, relação esta similar ao que é apresentado na obra de Tolkien (sei que a Disney não se inspirou na mitologia do Senhor dos Anéis, mas apresenta traços de mitologia europeia muito psicologicamente evidentes, principalmente na primeira cena onde cortam o gelo, e traços da era vitoriana, transmitindo alegria e sobretudo depressão angular), é demonstrado um certo complexo de Édipo, onde Freud baseou-se na tragédia de Sófocles, enfatizando a virtude do amor incondicional como havia dito. Diferente da literatura arcaica onde o amor é platônico.
Caio, desculpe se não fui claro antes, espero que tenha entendido agora.

Caio Amaral disse...

Juro que não sei dizer se você está tirando sarro da minha cara, ou se está de fato tentando comunicar alguma coisa..! Conheço muito superficialmente Freud, Tolkien, mas não vejo relação alguma disso com o filme.. Complexo de Édipo não é o desejo do filho pelo pai/mãe? Onde vc viu isso? Abs.

Anônimo disse...

Na verdade é uma cena deletada, Caio. Era a cena que deveria estar no filme no caso da Elsa ser a vilã. No lugar de Hans há outro nome, mas da pra saber que é o mesmo príncipe da coroação uma vez que Elsa diz: "Já que ele a ama tanto".
E ainda há uma cena em que Elsa e Anna interagem como irmãs, ou seja, Elsa não a afasta fisicamente, mas é impaciente e rude com a Anna. Exatamente como ela foi depois de todos aqueles anos na versão lançada.
Segue o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=5uX2hY0_Xhk

Gitaniarisa Getelina Chaves disse...

Eu concordo com o Anônimo que comentou acima, eu assisti Frozen muitas fezes, e eu concordo que olhando por este ponto de vista, fica claro que Elsa e Hans são muito apaixonados, e a deletada cena do beijo do casal é muito apaixonante. E o boneco de neve é meio tosco. Anna e kristoff se odeiam no íntimo. E o Anônimo acima está certo, concordo em partes com ele.A mpusica "Let It Gol" foi feira para o Hans, mostrando que a m´sica tem não mais que 03 interpretações diferentes. O comentário me fez perceber a terceira. A Elsa também canta "Por uma vez para sempre", acho que é assim o nome, e Annaa n~ao gosta nem um pouco, conforme mostrado na cena do baile onde Anna ´provoca Elsa tentando tomar o Hans dela, por isso Elsa não aceita o noivado justificando a grosseria. Portanto ela canta "Let It Go" para Hans. Então eu entendi o que ele quis dizer, mas não concordo com tudo, pois a mitologia é escandinava e não européia ou vitoriana. Atenciosamente Obrigada.

Caio Amaral disse...

Hmm, nesse link que você mandou não vi essa cena da Elsa com ciúmes.. mas de qq forma achei interessantes as cenas deletadas, confirmaram algumas suspeitas minhas..

Anônimo disse...

Quais suspeitas?

Anônimo disse...

Há um livro chamado "The Art of Frozen", que mostra as artes conceituais da Disney feitas para o filme, em que aparece um desenho do que parece ser uma cena romântica entre Hans e Elsa:
http://thedisnerd.tumblr.com/post/74133125501/frozen-2013-hans-and-elsa-dance-by-bill

Caio Amaral disse...

Que Elsa era mesmo pra ser vilã, já num estágio avançado da produção (não apenas no roteiro inicial).. E tb a cena dela interagindo com Anna no quarto.. mostra que bastava elas não se tocarem.. que a Elsa não precisava cortar totalmente relações com a irmã.. coisas assim..

Anônimo disse...

A julgar pelas cenas deletadas, a dupla de diretores só fez mudanças para pior no filme, que poderia ter sido mais engraçado, com cenas como a perseguição ao porco, e mais coerente, se tivesse admitido a Elsa como uma pessoa fria.

Caio Amaral disse...

Pois é.. pior que agora com o sucesso enorme do filme acho que vai todo mundo querer copiar a 'fórmula' de Frozen, criando heroínas mais frias e de caráter ambíguo..

Anônimo disse...

Pois é, ao que parece heroínas de caráter ambíguo é o que muitos críticos querem ver, a julgar pela repercussão dada ao filme. Com isso, os estúdios já tem propaganda favorável garantida.

Anônimo disse...

De certa forma, talvez a 'fórmula' do Frozen acabe por ser prejudicial para a Disney, pois os espectadores não terão mais a segurança de saber para quem torcer e qual tipo de história será contada, como havia nos filmes anteriores. Frozen foi uma espécie de pegadinha, nem sempre os espectadores gostam de ser enganados.

Anônimo disse...

Em 9 de dezembro, escrevi um comentário em que dizia: "Acho difícil que a Disney faça uma continuação de Frozen, salvo se for algum cura-metragem com uma história água-com-açúcar, como essas revistas que agora estão nas bancas". Agora, vi notícias de que a Disney está anunciando um curta-metragem, a ser lançado junto com o filme da Cinderela (será outra história clássica a ser sacrificada no altar da pós-modernidade?) chamado 'Frozen fever' cuja sinopse (do site Adoro Cinema)é: "É aniversário de Anna. Elsa e Kristoff trabalham na preparação da maior festa de todos os tempos, mas a ansiedade da Rainha descontrola seus gelados poderes e coloca a celebração e todo o reinado em risco." Pelo visto, a Disney superou minhas piores expectativas, pois, além do enredo absolutamente banal, ao que parece a história (não sei se ainda se pode confiar nas sinopses do estúdio) voltaria à estaca zero, com Elsa de novo incapaz de controlar seus poderes, como se não tivesse havido a tal prova de amor verdadeiro da irmã (embora eu tenha a impressão que os anos e anos que a Anna passou na porta do quarto da Elsa implorando para conversar com ela deveriam contar mais como prova de amor do que o negócio de se jogar contra a espada, já que a Anna presumivelmente iria morrer de qualquer forma). Aparentemente, os gênios que trabalham hoje na Disney não tem a menor idéia do que fazer a Elsa, em que pese todo o amor da mídia 'progressista' por ela.

Caio Amaral disse...

Esse filme da Cinderela está me parecendo fiel ao espírito do desenho.. não algo subversivo.. mas vamos ver né..!

Realmente, não faz sentido a Elsa "desaprender" a controlar seus poderes.. O lance da prova de amor, é que esses produtores acham que só é amor quando você se sacrifica.. muitos desenhos hoje em dia passam essa mensagem.. Operação Big Hero e Detona Ralph (do mesmo produtor do Frozen), têm essa mesma mensagem no final..

Anônimo disse...

Acho que o grande problema de Frozen foi que os roteiristas não estavam não estavam interessados em desenvolver personalidades coerentes para nenhum dos personages, que serviram apenas como meros veículos para os autores passarem seus pontos de vista, e se darem ares modernos atendendo a criticismos superificais feitos à Disney, como a bobagem acerca de não se poder casar com alguém que se acabou de conhecer, quando na verdade em muitos filmes da Disney nem casamentos há (como em Branca de Neve, Bela Adormecida e a Bela e a Fera).

Caio Amaral disse...

Sim..! É comum acontecer isso... Quando o filme quer passar uma mensagem que no fundo é equivocada, o realismo dos personagens acaba sendo sacrificado.. o comportamento deles não tem como ser muito coerente ou provável, etc.

Quanto ao casamento.. realmente, nem todos os filmes da Disney tem casamentos né? Mas eles todos eram românticos, projetavam um amor bonito, idealizado.. então não é exatamente contra "casamento" que Frozen é, mas contra essa projeção de um amor ideal..

Anônimo disse...

Você se esqueceu que ela não sabia que tinha congelado Arindelle ate a parte que Ana vem procurar ela , e vc deveria ter lembrado que a maior parte do filme ela não sabia controlar os poderes dela e ela desde o inicio tentou proteger a irmã e o reino dela . Então ACORDA MEU FILHO

Anônimo disse...

Uma coisa que fica contraditória nessa idéia tão repetida de que a Elsa queria apenas "proteger a irmã e o reino dela" é que, se ela tinha tanto amor pela irmã para se sacrificar se isolando, porque não tinha amor para buscar alguma forma de se comunicar com ela? E porque ela não busca uma forma efetiva de proteger o povo dos poderes que ela não controla?
A Elsa é um personagem paralisado pelo medo e pela amargura. Se tivesse sido um personagem masculino o público provavelmente a teria detestado.

Caio Amaral disse...

Sim, é o que falei desde o começo.. se ela realmente adorasse a irmã e quisesse protegê-la, ela teria achado soluções melhores pra situação.. e se preocupado não só em não machucá-la fisicamente, mas emocionalmente também.. o que ela fez foi machucar a irmã emocionalmente, pra protegê-la de seus poderes.. que não eram tão horríveis assim.. com certa distância, praticando os poderes, e usando luvas ela poderia ter resolvido a situação do isolamento.. mas o filme parece curtir esse mundo de conflitos, sacrifícios, vítimas da sociedade, opressão.. não está preocupado em ser muito racional..

Anônimo disse...

De fato, Caio, o filme curte esse mundo de vitimização, e isso só foi tão bem acolhido porque as protagonistas eram femininas. O público tem mais dificuldade de aceitar homens como vítimas em tempo integral, porque homens são mais cobrados para serem fortes e independentes. Se fosse uma história de dois irmãos separados porque um deles teme lidar com seus poderes mágicos, e cujo relacionamento entrasse em crise por que o outro se apaixonou à primeira vista por uma princesa malvada (acho que nunca fizeram nenhuma assim, o mais perto disso deve ter sido a Vanessa, o alter da Úrsula), não sei se o público iria gostar.

Caio Amaral disse...

Haha, não tinha pensado dessa forma.. seria engraçado! Mas mudaria todo o contexto né.. se fosse homem ele teria que fazer parte de uma minoria talvez.. pra ser visto como vítima...

Anônimo disse...

Uau! Nunca vi uma discussão tão grande só por um desenho'-'

Anônimo disse...

"Nunca vi uma discussão tão grande só por um desenho".
Ser um desenho não significa que se trate de um gênero inferior aos outros, embora tal pensamento seja comum. Quando "A Bela e a Fera" e "Up" foram indicados ao Oscar de melhor filme, concorrendo com obras live-action, a maioria do público e da crítica aceitou com bastante naturalidade.
No caso do Frozen, a discussão de justifica ainda mais por se tratar de uma obra saudada por muitos como a mais "progressista" da Disney, e como uma espécie de expiação da empresa pelo super-romantismo de trabalhos anteriores. Ironicamente, ninguém questiona esses louvores dizendo que é só um desenho.
Desenhos e obras voltadas para o público infantil não são gênero menor e não devem ser tratadas nem produzidas como tal. crianças não são bobas nem gostam de ser tratadas como se fossem.
Mas o próprio Frozen parece produzido por gente que acha que obras para crianças não precisam fazer muito sentido. O filme contém furos enormes de roteiro, e muita coisa injustificável. Qual o motivo do Olaf existir? Qual a origem dos poderes de Elsa? Elsa ficou 15 anos inteiros trancada no quarto? Porque quando o Hans disse que Anna morreu, ninguém foi à sala ao lado onde ela estava, para a ver e lhe prestar honras fúnebres, como seria natural? Os roteiristas não estavam preocupados com isso, porque a Disney queria fechar logo a produção, para vender ingressos, DVds e bonecas.

Anônimo disse...

Gosto muito desse filme, tipo muito msm, só q achei meio q desnecessário, teve gente xingando aí, fazendo briga,então quando disse isso é pq não achei certo as pessoas criarem intriga por causa disso. Gosto muito do filme pq ele não retrata um amor q a gente costuma ver na maioria contas de fadas, mas mostra amor de duas irmãs, q também acho muito importante. E o que deu discutir isso foi nada. Reconheço o grande sucesso, só que é só mais uma das produções da Disney que fez muito sucesso.

Anônimo disse...

Lilo e Stitch é filme da Disney que retrata o amor entre irmãs, e faz isso muito melhor e mais realista que Frozen, sem que uma precise se matar pela outra. O filme parece querer dizer que não podemos confiar em ninguém, exceto nos "nossos", sejam quais forem as circunstâncias.
Sobre o amor nos contos de fadas, não há porque considera-lo como algum modelo de vida ou aula de namoro, como alguns parecem querer entender. O psicanalista Bruno Bettelheim afirmou que esses relacionamentos de príncipe e princesa, cavaleiro e donzela em perigo, seriam elaborações do complexo de Édipo, que permitiriam às crianças processar mentalmente seus sentimentos edipianos de uma forma inofensiva.

Anônimo disse...

Tá bom

Anônimo disse...

Ok. Seja um crítico pq todo mundo é um. Inclusive eu, e não prescisa escrever praticamente um livro pra sua crítica ser superior a minha(que pelo meu ponto de vista deu pra perceber isso). Mas preste atenção ao q eu realmente quis falar com tudo isso:cada um tem q respeitar o ponto de vista do outro, e q é desnecessário criar briga por causa disso. Entendeu?

Anônimo disse...

Não acho que tenha havido desrespeito nenhum nos comentários desfavoráveis a Elsa ou ao Frozen. O filme teve muitos problemas de roteiro (quase todo filme tem furos de roteiro, mas no caso do Frozen eles são muito gritantes, e parecem ter decorrido da pressa em fechar a história, ou então de muito desinteresse; li notícias de que o roteiro de Frozen foi constantemente refeito durante a produção, com os roteiristas aceitando tudo que era palpite dos dubladores, principalmente de Kristin Bell, a voz da Anna, que praticamente pode reinvindicar a autoria do filme). O negócio da Elsa se trancar no quarto anos e anos a fio foi um absurdo. Na vida real, considerando a época em que a história foi ambientada, a iriam declarar louca e afastá-la do trono. Vejam o que foi feito com o Rei George III, no filme "A Loucura do Rei George".
Aliás, se no Frozen tivessem posto um regente ou coisa que o valha querendo submeter a Elsa àqueles tratamentos médicos terríveis teria sido um motivo muito melhor para ela se rebelar e fugir, do que aquela bobagem do noivado da irmã.
Frozen teve possibilidades imensas de ser uma grande história, mas os roteiristas não souberam aproveitá-las.

Anônimo disse...

Verdade, tem realmente esse detalhe. Mais na minha opinião se entrassem em detalhes iria ficar mais complicado a produção e seu custo iria ser maior. Gostaria de a história entrar em detalhes, pois existem muitas coisas que poderiam ser destacadas, e a história ficaria mais emocionante. Mais o filme é mais direcionado as crianças, geralmente meninas pequenas, e ficaria a difícil para compreensão delas, e por isso acho que não foi uma escolha desfavorável dos produtores para deixar a história superficial.

Anônimo disse...

Se tivesse tido uma ou duas músicas a menos, haveria mais espaço para história. Puseram músicas demais e não se preocuparam com uma história que as conectasse.
Outra solução para a separação das irmãs, e que aparece com freqüência em contos de fada, teria sido que os pais mandassem a Anna morar em uma fazenda, já que a Elsa temia te-la por perto. Aí Anna poderia ter tido um ambiente próprio para desenvolver sua vocação de bicho do mato, e talvez ter tido o Kristof como amigo de infância. Aí as coisas se encaixariam melhor.

Anônimo disse...

As crianças não vão prestar muito atenção nessa coisa, pois foi a música que encantou elas ( apesar de serem muitas). E essa sua ideia não é muito boa: colocar a Anna em uma fazenda? Realmente mudaria muito a história, e na minha opinião ficaria esquisito.

Anônimo disse...

E Anna perderia toda a sua personalidade, ou seja , menina inocente, descobridora, que é inexperiente em escalar montanhas, por exemplo, na parte que ela tenta escalar sozinha, é engraçado, né?

Anônimo disse...

Se você acha assim, tudo bem.
Então, nesse caso, teria sido preferível que no filme as duas irmãs afinal se relacionassem, ainda que Elsa mantivesse uma atitude reservada. Como já foi dito aqui, essa era a idéia original do filme, como mostram as famosas cenas deletadas do Frozen:
https://www.youtube.com/watch?v=5uX2hY0_Xhk

Anônimo disse...

Aliás, na história de Hans Christian Andersen, que supostamente inspirou Frozen, a personagem Gerda, que seria a Anna, empreende sua longa jornada rumo ao castelo da Rainha da neve sozinha, recebendo apenas ajudas eventuais. O personagem mais parecido com o Kristof seria uma ladra de estrada, que acaba emprestando a Gerda uma rena. O pessoal que saudou Frozen como filme feminista não estranhou o fato da Disney ter transformado uma mulher num homem. Talvez não conhecessem a história original.

Anônimo disse...

Verdade, não conhecia! Qual é o nome da história?

Anônimo disse...

A história original se chama "A Rainha da Neve", é um conto longo do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. Resumindo, é assim, um menino chamado Kai perde a capacidade de amar depois de ser atingido por estilhaços de um espelho mágico. Depois disso, acaba preso por acidente no trenó da Rainha da Neve, que é uma personificação do inverno, e vai viver no castelo dela. Gerda, amiga de Kai, sai em busca dele, numa jornada em que fica refém de um feiticeira, depois conhece uma princesa super-inteligente, depois é assaltada por uma família de ladrões, cuja filha cede a ela uma rena para seguir viagem, é ajudada por uma finlandesa e depois uma camponesa da Lapônia, chega ao castelo da rainha da Neve, e descongela o coração de Kai com suas lágrimas, depois disso os dois retornam para casa.

Leticia Rezende. disse...

Sabe uma coisa que é um pouco contraditória no filme? Todos criticam e ficam chocados que quando Anna fala que deseja se casar com alguém que só conhece a poucas horas, mais fica claro que Kristopher ama Anna e ninguém nunca negou isso (claro, ele não a pediu em casamento nem nada) mas será que ninguém reparou que eles só se conhecem há UM DIA?
Sinceramente, eu não acho que tenha sido por causa do fato que originalmente Elsa devia ser a vilã, mas na cena em que Anna e Hans vão pedir a bênção de Elsa para seu noivado, e está nega veementemente permitir aquilo, pareceu mas uma crítica camuflada dos produtores à outros antigas produções clássicas da Disney: Em Branca de Neve, Cinderela, Bela Adormecida, entre outros, apesar de o foco dever estar no príncipe e na princesa que se conhecem e apaixonam, quase não tem cenas do casal! Tudo se resume a eles se encontrando uma vez, cantão uma música de dez minutos e estão instantaneamente apaixonados, a princesa sofre na mão do grande vilão que faz de tudo para atrapalhar o final feliz da mesma (e, em 70 por cento das vezes a princesa tem que passar por todo o sofrimento só, porque, apesar do estereótipo de homem perfeito, protetor e que devia estar disposto a sacrificar a vida em nome de seu grande amor, não se vê nem um dedo da luva branca do príncipe sendo movido para ajudar), eles se casam, tem aquele tão maravilhoso e característico beijo do final (pois, na maior parte das vezes o príncipe encantado não falou nem duas palavras durante o longa metragem inteiro e sua maior função é só ser a ponte para a felicidade e realização da mocinha mesmo) e as palavra "The End" se escrevendo sozinhas numa linda caligrafia na tela, encerrando o filme juntamente com a promessa de felicidade eterna.

Então alguém não gostou da Elsa? Tem uma parte de mim que prefere o conto original a essa animação. Mas eu também gosto da história. Se a Disney queria um diferencial, conseguiu nessa história. O meu personagem predileto é o Kristopher (que, na minha opinião, é o mais verdadeiro do filme inteiro). Não posso dizer que cai de amores pelas princesas (principalmente pela Anna)contudo, reconheço que não são de todo mal. Se a Elsa não agradou você, nada do que eu diga vai mudar isso, é uma questão de preferência, e eu respeito isso.

Porém, eu me vejo obrigada a admitir uma coisa: eu ri quando você declarou que faria mais sentido os produtores terem modificado a letra da música para se adequar mais a história do que reescrever o roteiro inteiro só para ser mais compatível com a canção. Colocando assim, até que parece ser muito absurdo e sem nexo mesmo.

Anônimo disse...

Como bem disse a Letícia Rezende, foi uma contradição do roteiro de Frozen criticar a Anna por seu relacionamento rápido com Hans e depois aprovar o relacionamento igualmente rápido com o Kristof.
Realmente, todo o namoro de Anna com Hans, com a ostensivamente rídícula seqüência musical "Love is a open door", foi montado como uma crítica e uma paródia dos relacionamentos românticos dos velhos filmes da Disney. A própria Anna foi em si mesma uma paródia das antigas princesas Disney, ou pelo menos da imagem estereotipada que certas pessoas tem delas, de mocinhas tolas que só pensam em casar com um príncipe. E o pior é que essa paródia nem é nova, já tinha feita pela Disney com a Gisele do semi-esquecido Encantada, e com a Charlotte La Bouff de "A Princesa e o sapo". No caso de Charlotte a paródia não funcionou muito bem, pesquisando na internet se nota que muita gente se apaixonou por ela e não se conformou com o fato da Disney não ter dado a ela um príncipe. No caso da Anna, a caricatura parece sido tão carregada que levou muita gente a desgostar da personagem, embora ela seja a principal protagonista, e gostar mais da Elsa, por via de exclusão.
Acho que os roteiristas recorreram a essa paródia porque não tiveram nenhuma idéia melhor para criar uma situação em que os poderes de Elsa seriam revelados,e dar início à verdadeira história, e porque essa fórmula paródica parece sempre funcionar bem junto à parte da crítica, afeita ao padrão Shrek de zombar dos contos de fada.
Na verdade, emboram muita gente pense o contrário,a Disney parece ter tido desde sempre uma certa reserva quanto aos relacionamentos românticos de contos de fada, chegando a mudar as histórias, para que os amores pareçam menos instântaneos. No conto dos Irmãos Grimm, Branca de Nove só conhece o príncipe depois de despertada; no filme, ela já o havia conhecido antes (tanto que a música dela diz "someday my prince will come, someday we'll meet again"); No conto, a Bela Adormecida dormiu por exatos 100 anos, e não poderia obviamente conhecer o príncipe, a não ser que ele tivesse mais de cem anos. A Disney mudou tudo, fazendo que Aurora e Philip fossem noivos por arranos familiares, e se apaixonassem depois, e diminuindo o tempo de sono mágico da Aurora, para que ele pudesse ser salva pelo seu noivo.

Anônimo disse...

O personagem mais gostável foi mesmo o Olaf.

Anônimo disse...

frozen.na minha visao e uma versao criada dos tempos modernos.acho q elsa poderia ter agido de modo diferente.mais nao acho errada a forma como a rainha agiu.tentou proteger anna de todas as formas possiveis.pois preferia sofrer ao se afastar da irma do q machuca-la,se afastou de anna,proibiu seu casamento,e a mandou em bora de seu castelo para protege-la.e podemos ver q ate o kristoff achou uma mauquice da anna ela querer se casar com hans tao rapido.e anna e kistoff namoram,nao se casaram ainda.kistoff de certa forma salvou anna e se arriscou por ela.porque elsa proibiria o namoro dos dois? exatamente ela nao proibiu.o q mostra q ela tem um coracao bom,nao quer ver a irma triste so quer o melhor pra ela.precisamos entender q ninguem eh perfeito como a cinderela e q isso deve ser mostrado,e claro PRECISAMOS PARAR DE ACHAR Q MENINAS SO SERAO SALVAS PELOS SEUS PRINCIPES.meninas devem fazer por elas mesmas,tanto q a anna vai procurar elsa sem hans.e elsa no final fica sozinha.mais eu nao acho q elsa deve ficar pra sempre sozinha,ela como todos deve ter a chance de viver com alguem.por elsa ter essa carga dramatica,este espirito q pede desesperadamente por liberdade por paz,por todo amor carinho e cuidado q ela tem com anna.tanto eh q eh frozen fever o curta de frozen.elsa faz de tudo para poder dar a annna o melhor aniversario de todos porque ela quer ver anna feliz.agora e esperar frozen 2.e que venham mais criticas.mais eu sempre amarei minha preciosa rainha da neve "the snoow queen".e nao sou a unica, elsa>3.ela meresse reconhecimento por seu sofrimento

Anônimo disse...

É impressionante como as pessoas enxergaram em Frozen coisas que na verdade não estavam lá. "PRECISAMOS PARAR DE ACHAR Q MENINAS SO SERAO SALVAS PELOS SEUS PRINCIPES". No entanto, Anna precisou ser salva pelo Kristof e até pelo Olaf (uma das muitas forçações de barra do roteiro: Como o Olaf chegou no castelo? A Anna teria sido salva pela rena se os roteiristas assim quisessem, e as pessoas estariam achando genial do mesmo jeito e dizendo que o filme prova que as princesas não precisam ser salvas por ninguém. Se o filme quisesse provar isso, era só a Anna ter dado um berro, para provar que estava viva, ao contrário do que Hans estava dizendo do outro lado da porte); a Elsa, absurdamente, foi salva pelo vilão Hans (provavelmente porque os roteiristas ainda não tinham resolvido fazer dele um vilão ainda).
A história do casamento de Anna com Hans foi uma piada que a Disney vem fazendo com seu proprio passado desde os tempos de Encantada (cuja mensagem bem poderia ser assim resumida: em vez sonhar viver um conto de fadas, sonhe viver um episódio de Sex and the City) e da Charlotte da Princesa e o Sapo. Na verdade, as pessoas criticam uma idéia de romance instantâneo que nem existe nos filmes de Disney, como mostra o texto deste tumbir:

http://ihatefrozen.tumblr.com/post/84316052137/mothergothell-unf-hans-msdisneyprincess

E não fazia sentido a proibiçao do casamento, o que Elsa poderia dizer é que o casamento não poderia ser imediato. Elsa não poderia saber de imediato qualquer má intenção de Hans, a não ser que tivesse poderes de leitura da mente (vai ver tem, cada vez mais os roteiristas expandem os inexplicáveis poderes dela).
Aíás, a Elsa, quando estava presa, pediu que Hans cuidasse de Anna. O que as pessoas acham que isso significa? Ela não estaria, afinal, consentindo no casamento?
Quanto ao namoro do Kristof com a Anna, há muita divisão de opiniões. Pessoalmente, eu não gosto dessas histórias onde um homem e uma mulher se detestam até descobrir de repente que se amam.

Uma prova de que muita gente enxergou em Frozen o que quis ver foi cena da suposta família gay na sauna, que rendeu tantos elogios ao filme. Na verdade, não é dito de forma clara que o cara na sauna seja o esposo do Oaken, poderia muito ser o filho dele ou um irmão, ou outro parente. Além disso, algumas pessoas observar que a personagem um pouco mais alta que aparece logo abaixo do braço esquerdo erguido do sujeito louro na verdade é uma mulher (ela usa a toalha enrolada no tronco, logo abaixo das axilas, para esconder os seios). Nesse caso, não se deveria concluir que ela é a mulher do louro e a mãe das três crianças?

Anônimo disse...

Se o objetivo do filme era retratar o namoro de Anna com Kristof como algo mais puro e legítimo do que o namoro de Anna com Hans, então o filme falhou, porque quase ninguém entendeu desse jeito. A ênfase toda era no amor entre irmãs, por isso o romance com Kristof foi minimizado a ponto de muita gente nem perceber. Nesse caso, pra que o romance? Kristof poderia nem existir, que pouca diferença faria no filme. Ou então ser uma mulher, como a ladra, seu personagem equivalente no conto da Rainha da Neve de Andersen. Ou então ser feio o bastante para que os espectadores não pensassem nele como possível interesse amoroso.
Numa extensa crítica que li na internet sobre o Frozen, "The Problem with False Feminism", a autora, uma tal Dani Colman (não sei quem seja) notou que pra história teria sido mais interessante se fosse a Elsa que se apaixonasse, e não a sua irmã 'normal'. Teria sido, sim, muito problemático, e por isso daria uma história melhor. Nas palavras da autora (com tradução do google):
"É quase uma vergonha, imaginar o que poderia ter sido se a Disney realmente contrariou a tendência e dado Elsa um interesse amoroso em vez de Anna. medo masculino do poder feminino  -  ea demarcação mudando de masculinidade tradicional  - é algo que leva uma enorme quantidade do discussões do feminismo hoje, e há uma ideia realmente interessante na história de uma mulher que é muito mais poderoso do que o homem que ela ama - e que a ama - que ela está realmente machucá-lo. Será que ela suprimir seu poder para seu amante? Será que seu namorado quer que ela? Será que ela tem que escolher entre o amor e poder, ou ela pode encontrar uma maneira de ser feminina, no amor, e poderoso demais? É uma história interessante, complexo, e, definitivamente, feminista, mas não é o único a Disney escolheu para contar."
Talvez essa idéia tenha ocorrido ao desenhista da Disney que fez esse desenho de uma Elsa embevecida dançando com Hans, que os roteiristas não aproveitaram:
http://thedisnerd.tumblr.com/post/74133125501/frozen-2013-hans-and-elsa-dance-by-bill

Anônimo disse...

No comentário anterior, a "tendência" referida na citação que fiz, é à circunstância de que nas animações na Disney os vilões, ao contrário dos heróis, nunca tem um interesse amoroso: no máximo, alguns tentaram forçar a barra com protagonistas, como o Gaston com a Bela, Jafar com Iasmine e Frollo com Esmeralda. E também a Ursula com o Erik.
O fato da Elsa não ter tido um interesse romântico foi mais uma característica de vilâ que foi deixada na personagem. Talvez isso devesse ter sido mudado também, como a autora sugeriu. Já que a Disney tinha resolvido embelezar a Elsa para que ela fosse atraente para os espectadores, ela devia ser atraente também para os personagens do filme. E uma história de amor seria uma forma possível de desenvolver mais a personalidade da Elsa.

Anônimo disse...

Esses dias achei no Youtube um vídeo genial que usa cenas de desenhos antigos para mostrar um trailer de Frozen como se fosse uma animação tradicional. Pode ser saudosismo de minha parte, mas acho que não só ficou melhor visualmente, como também a qualidade das 'atuações' melhorou muito, e até o contexto da história. Além de ser uma ótima de comparar a animação 2D com o CGI, o vídeo faz a gente perceber o quanto Anna, Kristof, Olaf e Hans são pastiches, imitações pioradas de personagens típicos dos filmes da Disney. E como são meras paródias, não tem como competir com os tipos originais.
https://www.youtube.com/watch?v=twzCYg_qqbA

Anônimo disse...

eu adoro o filme frozem e descordo totalmente com vc caio amaral a elsa so quer proteger a todos por isso que fez essas coisas e se vc não gostou de algumas partes do filme guarde para vc mesmo e não poste besteiras e se vc estiver encomodado com o meu comentario e com o filme
os encomodados que se mudem seu imbecil #ficaadica

Anônimo disse...

E para proteger a todos Elsa só causa problemas para sua irmã e para seu reino.

Gabriela Nunes disse...

Bom elsa não é perfeita e como qualquer um ela erra....logico que quando anna canta triste pela morte dos pais eu também concordo que elsa poderia ter aberto a porta...afinal anna ja era grande iria entender.
porem as vezes pra proteger quem amamos fazemos coisas erradas,pensando fazer o bem...esse foi o ato de elsa...
e em relação a se isolar...quando crianca não foi ideia de elsa e sim dos pais...eles colocaram na cabeça dela ficar longe de todos.....ela apenas cresceu com isso.

Anônimo disse...

Acho Elsa um dos personagens mais negativos e deletérios já criados na animação infantil. Pior mesmo que o grosseirão Shrek, que pelo menos é capaz de sentimentos positivos e de enfrentar seus problemas. Enquanto isso, Elsa faz o que? exibe seu ar de vítima, chora, magoa e põe em perigo todos à sua volta, foge, se veste como se fosse participar de um desfile de alta costura...
e todo mundo acha que isso estã muito bem, afinal ela tem depressão, tem baixa auto-estima, ou sei lá o quê. Elsa parece querer ensinar que se você tem baixa auto-estima, você tem o direito de destruir tudo à sua volta, que o mundo é culpado de seus problemas e você nada tem com eles.
Elsa é a mais passiva e a mais fraca de todas as princesas Disney. Porque ela nunca tenta ao menos uma vez enfrentar seus problemas? Porque não tenta aprender a controlar seus poderes, procurando um bruxo ou os trolls, ou amor,já que, segundo, os trolls, o amor seria a solução para ela?

Anônimo disse...

O pessoal que tanto elogia a Elsa insegura e amedrontada de Frozen não estranhou que o personagem nada tem a ver com a Elsa poderosona que aparecia nos cartazes?

Raul Guilherme Souza Rocha disse...

A Elsa é a personagem que eu mais gosto no filme, simplesmente por não ser apenas uma vilã maldosa ou uma mocinha perfeita e sim uma moça confusa com seus poderes que ela não sabe como controlar.
Os pais delas que induziram Elsa a agir assim, na verdade, ela não queriam, mas se você perceber, eles falam em uma parte do filme que evitariam o contato dela com a irmã, como ela não podia desobedecer a ordem de seus pais, ela teve que se isolar dos pais, assim se tornando uma jovem frustrada e confusa. Na hora da festa, ela demonstra querer estar com sua irmã, mas com medo de machucá-la ela acaba sendo grossa com a irmã e a abandona. O jeito da Elsa de proteger é se afastando e isolando, quem ensinou isso para ela? Os pais dela. Eles influenciaram ela a pensar desse modo e Elsa acabou se tornando uma grossa com sua irmã.
Na hora em que Elsa foge para as montanhas, ela fica tão confusa, que nem percebe que congelou toda a cidade de Arendelle. A música Let it Go revela que ela não aguenta mais esconder seu poder. O monstro que ela criou para afastar Ana, Kristoff e Olaf servia somente para afastá-los, mas como Anna atirou uma bola de neve nele, o monstro se estressou e mandou eles pra longe. Elsa demonstra inocência quando Hans e seus guardas invadem seu castelo, com o seu poder ela poderia afastar todos em uma só investida. Ela fica tão estressada com o fato de estarem querendo matá-la, ela acaba quase matando dois dos guardas, o que monstra o descontrole de seus poderes.

Anônimo disse...

Achei uma crítica do Frozen, em inglês, que dá uma boa explicação da popularidade de Elsa.

http://www.fanpop.com/clubs/disney-princess/articles/240131/title/frozen-review

Ressalto o seguinte trecho:
"A lot of people agree that she's a plot device with no personality and yet there are just as many people who love her. Why is that? A simple answer, having no personality makes her a blank slate. Everyone has anxiety in their life and don't know how to deal with it, just like Elsa. But Elsa also has powers, which makes her life more exciting. So basically she's just a skin for the view to put on and relate to her anxiety problems but also have powers and be able to enter a world of fantasy and excitement."

Resumindo, o segredo da Elsa está no fato dela ter uma personalidade muito simplificada, que se resume a ansiedade e insegurança, combinado com poderes mágicos. Insegurança todo mundo tem, por isso qualquer um pode projetar seus medos nela, e seus poderes mágicos funcionam como um passaporte para um mundo excitante.

Acho que as pessoas confundem explicar com justificar. O fato de Elsa ser maltratada pelos pais, ou as besteiras da irmã não são motivo para as atitudes destrutivas dela.

Caio Amaral disse...

O problema é que essa explicação serve pra muitos outros heróis também... quase todos têm personalidades simplificadas, e um misto de inseguranças/vulnerabilidades (com as quais o espectador se identifica) e poderes/habilidades incomuns (que o espectador gostaria de ter). Luke Skywalker... o Homem Aranha... Se fosse só isso eu não teria problemas com a Elsa... o que me incomoda nela é a postura de vítima/injustiçada diante de uma sociedade cruel... a hostilidade em relação aos outros... o fato dela perpetuar conflitos, desarmonia... Essas coisas não são apenas vulnerabilidades.. pra mim caem na categoria defeitos.. coisas que mancham o caráter dela.. será que é com isso que as pessoas se identificam? Espero que não! Rss. Procuro pensar que as crianças simplesmente se encantaram com o lado glamouroso dela (a sequência Let It Go, etc), algo em falta hoje em dia, e aceitaram o que veio junto..

Anônimo disse...

O post que citei diz que a maioria dos super-heróis tem, ou tinham, nas uas versões originais, personalidades muito simplificadas, e que a Disney evitou atribuir traçoas mais marcantes à Elsa para temer que as pessoas que as pessoas achassem algo para antipatizar.
Quanto às crianças, acho que você tem razão, elas gostaram mesmo foi da música (a Disney tem outras muito melhores, como Whole New World, Colors of the Wind, Under the Sea, e muitas outras) e do visual de Barbie, e na certa prefeririam que ela tivesse ficado com o Kristof ou com Hans. Os adultos é que encasquetam com a 'complexidade' de Elsa.

Caio Amaral disse...

Acabou que não simplificaram tanto assim a Elsa pq eu ainda achei umas coisas pra antipatizar, kkk..

Anônimo disse...

Talvez a Elsa tivesse sido um pouco melhor se os executivos da Disney tivessem optado por essa versão abaixo, dentre as muitas que os desenhistas fizeram. Pelo menos essa Elsa tem um ar tão alegre que não seria compatível com uma postura vitimista. Se fosse pro personagem ser engraçado serviria bem:
http://disneyfrozen.tumblr.com/post/83488635795/queenbean03-imagine-if-elsa-looked-like-this

Liz disse...

Bom, talvez você tenha uma visão mais "maniqueísta" do mundo, mas achar que um protagonista, herói/heroína, não pode ter falhas de caráter me parece um tanto quanto utópico... Além do mais se prestar um pouco de atenção pode perceber que personagens totalmente perfeitos não fazem tanto sucesso atualmente, os anti-heróis tem se tornado os favoritos, parece que as pessoas não querem mais essa visão do mundo onde alguém é totalmente bom ou totalmente mal. Claro que respeito sua opinião, você tem todo o direito de não gostar de Elsa. Assim como minha opinião continuara sendo de que ela é uma personagem extremamente humana em suas ações, ela erra muito, se descontrola, tem medo e as vezes parece ser egoísta sim, mas acredito que é isso que faz dela tão próxima da realidade, aliás deve ser por isso que ela se tornou uma das favoritas do público.

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 276   Recentes› Mais recentes»