sábado, 15 de março de 2014

Walt nos Bastidores de Mary Poppins (anotações)

- Produção bonita! Tudo de ótimo nível. Direção de arte, figurinos, elenco, trilha sonora, diálogos...

- Choque de valores e personalidades entre Walt e Mrs. Travers muito legal e envolvente. Personagens muito bem apresentados.

- É tão europeu o pessimismo dela... Achar alegria vulgar e superficial.

- Não sei se eu quero que ela mude de ideia. Ela e Disney têm valores bem diferentes. Por mais que eu prefira os dele, eu ainda respeito a integridade artística dela. Não quero vê-la "abrindo as pernas"... A não ser que ela realmente se convença.

- Colin Farrell muito bem como o pai! Relação fofa dele com a filha.

- Travers não quer a cor vermelha no filme inteiro: estou começando a ficar com raiva dessa mulher!!

- U-A-U, impressionado com a ilustração do filme do que leva uma pessoa a se tornar cínica e pessimista ("universo malevolente"). O pai da Mrs. Travers era pra ela, quando criança, mais ou menos o que o Walt Disney representa - um símbolo de diversão, inocência, felicidade, otimismo. Só que no caso do pai dela, era tudo uma farsa!! Uma máscara usada pra esconder alcoolismo, fracasso, depressão, e uma realidade extremamente cruel. Uma vez que a menina descobriu isso, ela ficou traumatizada... Tudo o que havia de positivo nele era um teatro. Mas em vez de concluir que o pai dela é que era uma farsa, e continuar tendo uma visão positiva da vida, ela concluiu que toda felicidade era uma ilusão, uma fuga da realidade. É por isso que ela rejeita os trabalhos de Walt Disney... Ela acha que eles são nocivos, pois não preparam as crianças pra uma realidade inevitavelmente trágica!

- Interessante conhecer a história da autora, pois eu sempre senti algo de distante e frio na personagem da Mary Poppins (um pouco no filme, e ainda mais no musical da Broadway). Ela nunca foi pra mim uma caracterização convincente e tridimensional de uma pessoa alegre, benevolente... Parece tudo um pouco um teatro; não enxergamos uma mulher real por trás daquele comportamento (é diferente de uma babá como a "noviça rebelde", por exemplo, que é convincente psicologicamente). Talvez isso venha do pai da Mrs. Travers.

- Demais a sequência filmada na Disneyland! Não me lembro de já ter visto o parque assim num filme.

- SPOILER: Emocionante a cena em que eles apresentam a música da pipa pra Mrs. Travers! Que alívio vê-la gostando de algo finalmente!

- Haha, divertida a ideia de que Disney é hiperativo e tem déficit de atenção ("Isso explica tudo!"). Não sei se não tem um fundo de verdade.

- Diálogo incrível entre Disney e Travers na casa dela em Londres (ele falando sobre os contadores de histórias, etc). Filme é uma ótima defesa do Romantismo - mas sem fazer isso de maneira didática ou explícita.

- SPOILER: Travers finalmente assistindo Mary Poppins - emocionante! Sempre reclamo que em geral, cenas que se passam dentro de cinemas em filmes são ruins. Os personagens fazem de tudo menos assistir ao filme. Aqui a cena é sobre o filme e sobre a reação da personagem à ele. Ótimo final e ótima performance de Emma Thompson.

CONCLUSÃO: Filme impecável, divertido, informativo, com profundidade emocional surpreendente, e com ótima produção e elenco.

(Saving Mr. Banks / EUA, Reino Unido, Austrália / 2013 / John Lee Hancock)

FILMES PARECIDOS: Em Busca da Terra do Nunca, Lincoln, Julie & Julia.

NOTA: 8.5

Nenhum comentário: