segunda-feira, 3 de abril de 2017

A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell

NOTAS DA SESSÃO:

- Muito bonita a sequência inicial com a montagem do robô. Scarlett Johansson foi uma boa escolha pro papel, o visual e os efeitos são ótimos. A produção tem mais nível que a média (os diálogos têm certa inteligência, o elenco coadjuvante é interessante, etc).

- Apesar da visão pessimista meio clichê de futuro (que lembra Blade Runner, Robocop), o filme contrói um universo interessante - há várias ideias bem pensadas de design, tecnologia, etc.

- A trama envolvendo terrorismo é pouco interessante (cai na categoria "filme de serviço"). O que acaba envolvendo mais o espectador é o lado emocional da protagonista, a busca dela por um senso de conexão, e também as falhas no sistema que dão a ideia de que há alguma mentira por trás da realidade que estamos vendo.

- SPOILER: Depois que descobrimos que Scarlett e Kuze na verdade são vítimas da companhia, a trama fica mais interessante (os toques anti-capitalistas não chegam a acionar meu Alerta Vermelho). A protagonista ganha um propósito, um inimigo que ela queira derrotar não apenas por ser seu trabalho, mas por razões pessoais.

- Chega a ser um alívio ver um filme do gênero onde a ação não parece totalmente absurda, onde se tenta minimamente respeitar as leis da física. Não há aquelas cenas onde a heroína luta contra 200 inimigos ao mesmo tempo parecendo um videogame. Sentimos que estamos num universo crível onde há vulnerabilidades e limites para o que ela pode fazer.

- SPOILER: Legal a cena em que a Juliette Binoche muda de ideia e decide ajudar a Scarlett Johansson a escapar. Por um instante acreditamos que ela iria matá-la, o que torna a reviravolta satisfatória.

- SPOILER: A sequência de ação final contra a aranha é fraca - uma máquina grande e lenta assim não parece tão ameaçadora, sem falar que é só um robô - falta a presença do vilão real ali. Scarlett acaba derrotando Cutter à distância depois, numa cena pouco memorável. Outra coisa que enfraquece a história é a ideia de que todo o mal foi causado apenas por 1 diretor corrupto da empresa... Não sentimos que há uma organização realmente maligna ameaçando o mundo, tanto que no fim ela volta a trabalhar na Section 9. Fica a sensação de que foi apenas um problema localizado, um conflito menos épico do que poderia ter sido.

------------------

CONCLUSÃO: Ficção feita com bom gosto e inteligência, embora a história não seja das mais empolgantes e o final deixe um pouco a desejar.

Ghost in the Shell / EUA / 2017 / Rupert Sanders

FILMES PARECIDOS: RoboCop (2014) / Lucy (2014) / No Limite do Amanhã (2014) / Sem Limites (2011) / Matrix (1999)

NOTA: 6.8

2 comentários:

Dood disse...

Eu tenho a versão anime em DVD aqui (que é a inspiração desse filme) é bem construído. Tem aquele lado pessimista, mas as outras coisas compensam como a personagem.

Engraçado citar Matrix porque Ghost in the Shell inspirou a criação deste.

Caio Amaral disse...

Ainda não vi a animação, nunca tive muita atração por animes.. mas sei que é bem cultuada.. Ah sim, vendo o filme não tem como não pensar em Matrix né.. embora o tom mais emocional e melancólico tenha me lembrado mais Blade Runner.. abs.