segunda-feira, 22 de outubro de 2012

As Vantagens de Ser Invisível

Comédia dramática sobre um adolescente reservado e com problemas psiquiátricos que entra no colegial e é acolhido por dois alunos extrovertidos (mas não populares) de um ano mais avançado. O filme é um dos mais bem avaliados do ano e aborda, de maneira leve, temas como bullying, drogas, primeira vez e homossexualidade. O diretor Stephen Chbosky é também o autor do livro.

O filme se passa no início dos anos 90 e faz um retrato nostálgico do ano mais importante da juventude desses 3 amigos. Eles são do tipo que escutam David Bowie, The Smiths, frequentam sessões à meia-noite de Rocky Horror Picture Show e querem viver livremente. Os atores estão todos bem - só não sei se é possível acreditar totalmente que esses personagens seriam excluídos. É um paradoxo comum em filmes com esse tema: o diretor quer que o personagem seja um desajustado apenas no universo da história, mas não para a plateia do filme. Então você acaba com uma figura carismática, atraente, que na realidade seria popular no colégio - só que por algum motivo todo mundo no filme diz que ele é um esquisito.


O fato do filme ser narrado do futuro pelo personagem principal dá ao filme um tom melancólico que eu particularmente acho desnecessário. É como se ele dissesse "a vida era tão boa", mas não explica por que ela não é mais, tornando a felicidade um evento raro, que existe apenas num "paraíso perdido" da juventude (o que infelizmente deve ser verdade pra muita gente). Pra quem está na adolescência, fica a sensação de que deve-se curtir a vida às pressas, pois após o colegial a magia acaba (se você for pensar, pros "invisíveis" do colégio o que ocorre muitas vezes é o oposto). Mas isso não torna o filme negativo.

O que importa aqui é que os personagens foram criados com sensibilidade, têm personalidades bem definidas, e os conflitos e a amizade entre eles são interessantes. Parece uma versão adolescente de Na Estrada, ou talvez um novo Três Formas de Amar.

The Perks of Being a Wallflower (EUA / 2012 / 103 min / Stephen Chbosky)

INDICAÇÃO: Pra quem gostou de Um Dia, 500 Dias Com Ela, C.R.A.Z.Y. - Loucos de Amor, Três Formas de Amar.

NOTA: 7.5

4 comentários:

d é h disse...

Quero Muito ver esse filme!
Uma pensa que nos cinemas em que eu costumo ir, não está em cartaz...

Mas verei assim que possível!

Gostei do Blog, estou seguindo ok?

Abraço

Caio Amaral disse...

Valeu 'd é h'.. É muito bem feito o filme, não perca..!

lcattapreta disse...

fazia tempo que eu não chorava tanto com um filme que se passava no colegial, gostei muito :)

ah, e pra variar, perdi o comecinho de novo!

Caio Amaral disse...

Achei sua cara esse filme, Laura! Mas vc tem que parar com essa mania de chegar tarde hein.. Se fosse em 1960 o Hitchcock não permitiria..! Rs