quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

John Wick: Um Novo Dia Para Matar

NOTAS DA SESSÃO:

- Sequência inicial bastante energética (vai dar pro filme superar isso depois em termos de ação?).

- Gosto do Keanu Reeves, acho divertida a atitude hedonista "tudo pode" do filme, mas ao mesmo tempo não simpatizo por essa celebração da agressividade acéfala, completamente divorciada de valores positivos. O filme é feito pra gente que deseja ganhar autoestima através da habilidade de dar porrada, pseudo-rebeldes que não entendem por que são rejeitados pelo mundo e sonham com o dia da vingança, quando irão mostrar pra todos "quem é o bom".

- Pelo menos acho a história menos ridícula que a do primeiro filme, onde toda a matança parecia motivada pela morte de um cachorro. Aqui há uma motivação melhor; ele está sendo forçado pelo vilão a embarcar nessa missão.

- As cenas de ação têm bastante energia e ritmo, mas nada que se destaque em termos de criatividade, coreografia, direção, etc. É tudo meio genérico e pontuado por clichês.

- Não existe polícia no universo do filme? O Keanu Reeves assassina dezenas de pessoas em lugares públicos, e em nenhum momento tem que lidar com qualquer tipo de policiamento. Parece um universo de videogame.

- Não faz muito sentido ele ir pedir ajuda pro Laurence Fishburne. No que isso é essencial pra ele encontrar o vilão? Parece que inventaram esse personagem só pra ter um reencontro entre o Neo e o Morpheus. É tipo um filme pornô, onde você sabe que a história não importa, que os personagens não importam... Mas ninguém liga porque o que importa é a ação.

- O filme apela pra pseudo-autoestima do espectador, que sonha com força automática, vitória automática... Um mundo que não exige que você tenha qualidades palpáveis pra ser o melhor, pra ser imbatível. Pra aproveitar o melhor de John Wick você tem que estar confortável com a ideia de fechar os olhos pra realidade e simplesmente curtir a ideia de que você é "foda" simplesmente por ter nascido (é a versão para meninos da Anastasia de Cinquenta Tons de Cinza).

- Mais uma vez o clichê do tiroteio no labirinto de espelhos (com a tentativa de se criar uma metáfora profunda a respeito do caráter do herói). Maldito Orson Welles e A Dama de Shanghai!

- Que absurdo essa cena no Central Park onde todo mundo se comporta como robô... O autor deve ser realmente paranóico; um cavaleiro solitário com a sociedade inteira contra ele.

- A história não tem conclusão... Apenas cria um gancho pra mais matança na parte 3.

------------------

CONCLUSÃO: Divertido e eficiente pro público alvo (achei melhor que o primeiro) - mas esse público realmente precisa crescer e dar uma melhorada nas suas ideias.

John Wick: Chapter 2 / EUA / 2017 / Chad Stahelski

FILMES PARECIDOS: De Volta ao Jogo (2014) / Os Mercenários (2010) / Busca Implacável (2008) / Carga Explosiva (2002)

NOTA: 5.0

6 comentários:

Marcus Aurelius disse...

"O filme é feito ... pra adolescentes anti-sociais", "versão para meninos ... de Cinquenta Tons de Cinza".

Eu não poderia ter colocado melhor. Tu materializou exatamente o que eu estava tentando formular. Além disso, a comparação com "Cinqüenta Tons" é ótima kkkkkkk.

E em termos de ação, eu acho que um próximo "Mad Max" superaria tranqüilo. Diz-se que vai ter um derivado da personagem feminina mais interessante e complexa da história do cinema que é a Furiosa. Se não enfiarem uma mulher pra dirigir só porque sim, então acho que em termos de ação a equipe de "John Wick" cairia bem. (Já que a personagem foi tão bem desenvolvida no primeiro filme que não seria necessário qualquer adendo em qualquer derivado que estragaria a personalidade dela)

Agora essa cena do Keanu Reeves andando com o cão ao lado me lembrou muito de "Mad Max 2":
https://hydra-media.cursecdn.com/madmax.gamepedia.com/2/22/Dog.jpg?version=b51a83e65b4f7d8124f34aa84ff89c89

Caio Amaral disse...

Oi Marcus! Valeu.. kkkk.
Nossa, engraçado que várias vezes eu escrevo algo que acho super claro, daí no primeiro comentário vejo que não me expressei direito (ou que a pessoa entendeu mal, rs). O que quis dizer na primeira nota foi: depois de uma cena de ação tão extrema logo na abertura, será que o filme iria conseguir superará-la, fazer algo ainda mais impactante até o final? Não estava falando de futuros filmes, etc.. Nem acho as cenas de ação de John Wick tãoo especiais assim.. Mad Max é bem mais sofisticado nesse ponto.. Abs!

Anônimo disse...

Essa cena do labirinto de espelhos é mesmo popular entre os cineastas, já a vi em dois filmes bem diferentes:

https://www.youtube.com/watch?v=VNiFfZQwIKM

https://www.youtube.com/watch?v=KUtLTxBYZHw

Caio Amaral disse...

Vixe tem um monte.. lembrei do final de Operação Dragão tb, com o Bruce Lee..

Anônimo disse...

No filme do Batman, deram mais conteúdo à cena, usando o espelho para a personagem Baby Doll se ver como gostaria de ser. Já no filme do Woody Allen, me pareceu um pouco referência pela referência.

Anônimo disse...

Esqueceram de the man with the golden gun tb